12
Mar 17

Léxico: «kennediano»

É um escândalo

 

     «O Presidente Clinton, um kennediano assumido, tinha um longo historial amativo, aliás parcialmente conhecido» («É um escândalo», Pedro Mexia, «P2»/Público, 26.07.2008, p. 5).

    Não é fita, juro: fiquei espantado, espantadíssimo que o adjectivo kennediano não constasse nos nossos dicionários, e nomeadamente no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Realmente... (Sim, a aplicação para iOS ficou muito boa com a actualização; espero que não se esqueçam agora dos dicionários bilingues.)

 

[Texto 7554]

kennediano.jpg

 

Helder Guégués às 21:56 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Tradução: «izquerdear»

Lamento, Dr. António Costa

 

      «Maese Pedro, que vio que don Quijote izquierdeaba y que volvía a su primer tema, no quiso que se le escapase, y, así, le dijo» (Don Quijote de la Mancha, Miguel de Cervantes, II, 26). Bem, agora não interessa o que lhe disse, mas sim que também temos o verbo esquerdear ou esquerdar, e com o mesmo significado em ambas as línguas: desviar-se do que dita a razão e o bom senso, seguir um mau caminho.

 

[Texto 7553]

Helder Guégués às 17:44 | comentar | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas: ,
12
Mar 17

Tradução: «abadejo»

Bacalhau não basta

 

      «A dicha acertó a ser viernes aquél día, y no había en toda la venta sino unas raciones de un pescado, que en Castilla llaman abadejo, y en Andalucía bacalao, y en otras partes curadillo, y en otras truchuela» (Don Quijote de la Mancha, Miguel de Cervantes, I, 2).

      Traduzir estes termos quase nunca é fácil. Na nossa língua também temos, é certo, abadejo e badejo, mas o problema, mais do que a solução, pode estar precisamente aí. Primeiro, diga-se que na edição original está abadexo e que os contemporâneos de Cervantes confundiam o abadejo com o bacalao. Confusões que persistem. Provavelmente, o abadejo dos nossos vizinhos é o nosso paloco (Pollachius pollachius), e a etimologia está, de alguma maneira, ligada a abad, «abade», talvez a abadágio, ou seja, uma contribuição em espécie que se pagava aos abades. O bacalao sim, é o nosso bacalhau (Gadus morhua). Ou também se podia dever, como aventa Julio Cejador y Frauca, à forma do peixe, a lembrar uma mitra, o chapéu alto e fendido usado pelo papa e por certos prelados em algumas cerimónias. O nome curadillo não oferece nenhuma dúvida, está ligado à salga do peixe. A propósito de mitra, lembremo-nos de que em português é o nome que se dá popularmente (o que eu só recentemente aprendi com um tradutor estrangeiro) ao uropígio das aves, também em razão da semelhança. Como também se lhe dá o nome de rabadela ou rabadilha. Ora, em castelhano, mitra nesta acepção diz-se obispillo, ou rabadilla. Pena é que o Dicionário de Espanhol-Português da Porto Editora não registe estes termos, o que é menos um arrimo seguro para os tradutores.

 

[Texto 7552]

Helder Guégués às 13:30 | comentar | ver comentários (8) | favorito