27
Abr 17

Léxico: «canelite»

Basta estar atento

 

      Hoje, ouvi pela primeira vez, na Antena 1, uma palavra: canelite. Nada, nunca antes. Até pode ser o nome que se dá popularmente à periostite tibial (shin splint, para a legião de anglófonos que nos segue), mas vejo agora que aparece por todo o lado. Era a propósito dos peregrinos a caminho de Fátima. A canelite é a dor e o edema na perna que pioram com a actividade física e melhoram com o descanso. Já que estamos aqui, fiquei com dúvidas sobre a correcção da definição de tibialgia no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Mas deixo isso para os médicos que acompanham o Linguagista.

 

 [Texto 7756]

Helder Guégués às 15:33 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «heterotrofismo» e «quimiotrofismo»

Mais trabalho

 

      «Agora, Daniel Distel encontrou um exemplo desse processo — o Kuphus polythalamia. “A madeira serviu como uma alpondra evolutiva para uma transição drástica do heterotrofismo [sem capacidade de produzir o seu próprio alimento] para o quimiotrofismo”, refere o artigo. “Esta é a parte-chave do artigo”, sublinha por sua vez a investigadora portuguesa [Luísa Borges]» («Foi encontrado um alien vivo? Calma, é só um bivalve gigante», Teresa Serafim, Público, 27.04.2017, p. 25).

    No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, nem heterotrofismo nem quimiotrofismo. E, contudo, o Diconário de Termos Médicos acolhe um sinónimo do primeiro, heterotrofia, e no Dicionário de Espanhol-Português encontramos heterotrofismo. Muitas pontas soltas.

 

[Texto 7755]

Helder Guégués às 12:34 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «quimiossintético»

Faz falta o par

 

     «Na elaboração das refeições, [o Kuphus polythalamia] usa o sulfureto de hidrogénio como energia para produzir o carbono com que se alimenta — é assim um animal quimiossintético (em que a sua fonte de energia são compostos químicos). Este processo é diferente do que as plantas usam para converter a energia do Sol em carbono, durante a fotossíntese» («Foi encontrado um alien vivo? Calma, é só um bivalve gigante», Teresa Serafim, Público, 27.04.2017, p. 25).

    É primo do Teredo navalis – e, a propósito da tradução de shipworm, falámos aqui do teredo ou teredem. Que temos aqui? O habitual: o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, que regista quimiossíntese, esqueceu-se do adjectivo quimiossintético.

 

[Texto 7754]

Helder Guégués às 11:45 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
27
Abr 17

«Tarrafalista», de novo

Última vez?

 

      «A sede da autarquia da capital acolhe desde terça-feira o Centro Cívico Edmundo Pedro, onde se vão instalar coletividades e organizações da sociedade civil, que terão ao seu dispor áreas de trabalho, uma sala multiusos, uma copa e o auditório da Câmara de Lisboa. A inauguração decorreu no dia 25 de abril numa homenagem a Edmundo Pedro, resistente antifascista e o único dos ‘Tarrafalistas’ ainda vivo» («Novo Centro Cívico Edmundo Pedro em Lisboa», Destak, 27.04.2017, p. 2).

      Já aqui tinha tratado deste caso anómalo do vocábulo «tarrafalista». O que há de novo, para justificar trazê-lo aqui de novo, é precisamente a forma como o jornalista o grafou, com maiúscula. Com aspas já o tínhamos visto. Enfim, pode sempre fazer-se pior.

 

[Texto 7753]

Helder Guégués às 10:54 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
26
Abr 17

«Pneumococo/pneumocócico»

Se percebem, expliquem-me

 

      «Isto apesar de existir, desde 2015, uma norma da Direção-Geral da Saúde que recomenda a vacinação de grupos de adultos com risco acrescido de contrair doença invasiva pneumocócica» («Em defesa das vacinas para adultos», Destak, 26.04.2017, p. 6).

    Ora vamos lá ver: pneumococo está no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora; pneumocócico, no Dicionário de Termos Médicos. Não pode ser, pois isso obriga o consulente a procurar as palavras em dois dicionários.

 

[Texto 7752]

Helder Guégués às 17:45 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «narigueira»

Milhares as esquecidas

 

      Creio que os elmos tinham narigueira, e os dicionários brasileiros também acolhem a palavra, que, no caso, designa um adorno de penas que atravessa o septo nasal, usado pelos índios. Cá, todavia, os dicionários ignoram a palavra. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista apenas o adjectivo narigueiro, «relativo a nariz». E, no entanto, a palavra é usada, e com mais frequência do que se possa pensar, para designar a peça, de borracha ou napa, dos capacetes que serve para diminuir o embaciamento da viseira. Assim como queixeira, a parte do capacete que protege o queixo, também não está nos dicionários. Mais uma vez, só o adjectivo queixeiro, «designativo do dente do siso». Para os dicionários, é como se o mundo não mudasse.

 

[Texto 7751]

Helder Guégués às 10:51 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
26
Abr 17

Léxico: «traça da cera»

Uma traça menos má

 

      «A chamada traça da cera, cujas larvas são criadas para usar como isco para a pesca, é um flagelo para as colmeias de abelhas na Europa, e foi por coincidência que uma cientista [Federica Bertocchini, do Instituto de Biomedicina e Biotecnologia de Cantábria, Espanha] que também é apicultora descobriu como podem acelerar a degradação do polietileno» («Descoberta lagarta que é capaz de devorar sacos de plástico», TSF, 24.04.2017, 17h33).

     Na definição de traça, já encontramos essa apetência de peles, tecidos, livros, etc. Mas, depois, há traças específicas: dos livros, da cera... O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não regista esta da cera, mas sim a dos livros: traça-dos-livros. (Que tem vários sinónimos, um dos quais, bicho-de-prata, foi sugerido por mim em 2014 e faz parte daquele dicionário.) Se compreendo que bicho-de-prata deva ter hífenes, não me parece o mesmo de traça dos livros nem de traça da cera. Consultamos a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, quase infalivelmente criteriosa nestas questões, e nunca vemos hífenes nestes vocábulos.

 

[Texto 7750]

Helder Guégués às 10:33 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,
25
Abr 17
25
Abr 17

Léxico: «musealização»

Mais um passo

 

      «Está também prevista a execução de camarins, redes de iluminação, telecomunicações, hidráulicas, sistema de AVAC (aquecimento, ventilação e ar condicionado), melhoria da eficiência energética e ambiental, bem como musealização e promoção da estrutura arqueológica» («Chaves. Maiores termas romanas da Península Ibérica abrem em 2018», Olímpia Mairos, Rádio Renascença, 24.04.2017, 14h42).

   Se já regista o verbo musealizar, o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora tem de dar o passo seguinte, que é acolher o substantivo musealização. Também seria útil registar o acrónimo AVAC.

 

[Texto 7749]

Helder Guégués às 13:33 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
24
Abr 17

Léxico: «verme da Guiné»

Falta o melhor

 

      A Organização Mundial da Saúde anunciou recentemente avanços sem precedentes na luta contra dezoito doenças tropicais neglicenciadas, entre elas a dengue, verme da Guiné e doença do sono. Infecção pelo verme da Guiné... pois é... Nos dicionários, nada. Ou melhor, só sinónimos, quando, porventura, será aquela a designação mais usada entre nós. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, dois: dracunculose e dracontíase; no Dicionário de Termos Médicos, outro, dracunculíase. Falta, pois, registá-los a todos no Dicionário da Língua Portuguesa, acrescentar a designação em epígrafe, fazer remissões mútuas em todos os sinónimos e uniformizar a definição.

 

[Texto 7748]

Helder Guégués às 10:47 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
24
Abr 17

Léxico: «variador»

Em nenhum

 

      A transmissão das motos automáticas é composta por três elementos principais: variador, embraiagem e correia. O variador, em si mesmo, que fica no eixo da cambota, é composto de várias peças. Os motores de indução também têm variador de velocidade, que, como o nome indica, é um dispositivo usado para regular a velocidade, isto porque um motor de indução de corrente alternada é um motor de velocidade constante. Com o variador, obtém-se uma considerável poupança de energia. Ora, variador não está nos dicionários. Em nenhum, não apenas no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

[Texto 7747]

Helder Guégués às 10:35 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,