08
Abr 17

Léxico: «candeio»

Caça ou pesca

 

      Uma definição que anda errada há anos em quase todos os dicionários é a de candeio. Eu já uma vez tratei do caso, mas não tive sorte, para mal de todos os falantes. Outros registam o mesmo, mas vejamos o que se diz no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: «1. archote para a pesca nocturna; 2. esta pesca». Primeiro: com archotes era talvez há cem anos. Agora, o candeio é com luzes eléctricas ou faróis, que atordoam e desorientam os animais. Segundo: candeio sempre se referiu tanto à pesca como à caça. Já está assim nos clássicos. E nos dicionários do século XIX a definição estava correcta. No dicionário de Fr. Domingos Vieira, por exemplo, está assim: «Candeio, s. m. (De candeia). Facho que serve para pescar ou caçar de noute. — Caçar perdizes ao candeio. = Usado por Bernardes, etc.» Agora, até os mais sabidos, em geral, desconhecem isto. No meu caso, desde pequeno que sabia que havia caça ao candeio (e conheci pessoas que enchiam, numa noite, sacos com tordos), e só muito mais tarde soube que se praticava também pesca ao candeio.

 

[Texto 7692]

Helder Guégués às 20:40 | comentar | ver comentários (2) | favorito
08
Abr 17

Léxico: «imprimadura»

Tudo técnico

 

      «O relatório explica que a datação do século XVI é consentânea com “o uso generalizado do pigmento azul de esmalte” e de um tipo de preparação sobre a qual é executada a obra, chamada “imprimadura corada”. “É uma camada muito fina que se coloca por cima da preparação do suporte [madeira] e que depois recebe a pintura propriamente dita”, explica José Alberto. […] Segundo o relatório sumário do estudo técnico e material, foram realizados vários exames — como fotografia de fluorescência de ultravioleta, reflectografia de infravermelhos, radiografia e espectrometria de fluorescência de raios X — e recolhidas seis micro-amostras da camada pictórica» («António Filipe Pimentel: “Relatório prova que a pintura é autêntica”», Isabel Salema, Público, 8.04.2017, p. 40).

      Imprimadura não tem nada de especial, e encontramo-lo em quase todos os dicionários. É, digamos, a aplicação de uma espécie de primário. Já quanto à reflectografia de infravermelhos, não a encontramos nos dicionários, e não creio que a definição de reflectografia que está em quase em todos os dicionários ajude a perceber o conceito. E escreve-se microamostra, como microalga, por exemplo, fica agora a jornalista a saber.

 

[Texto 7691]

Helder Guégués às 19:48 | comentar | ver comentários (1) | favorito