21
Mai 17

Léxico: «torque»

Que raiva!

 

      A propósito de motos, estão constantemente a ser usados os termos «cilindrada», «potência» e «torque» — e a fazerem-se grandes confusões. Sobre este último, com o que lemos no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora (e noutros dicionários, valha a verdade), não vamos longe: «Brasil FÍSICA sistema de duas forças paralelas, da mesma intensidade e de sentidos contrários; sistema conjugado, binário». (Ah, o Brasil de novo... Que raiva!) Há por aí boas definições de torque. Pelo menos isto, crucial na condução em cidade, terei na BMW C Evolution. O resto... Parte da emoção é dada simplesmente — deixem-nos ser superficiais na estrada — pelo som do escape. Não: vaidade e segurança. Se esta BMW tivesse, para a comparação ser justa, o fabuloso som da modesta Benelli 302 (agora chinesa!), tínhamos tudo*. As marcas não afirmaram que iam pôr os veículos eléctricos com ruído, para serem facilmente detectados pelos peões? Bem, esperemos, o que está para breve, pela eléctrica da Harley-Davidson.

 

[Texto 7858]

 

 

      * Num fórum, li uma frase muito engraçada sobre esta BMW: «Continuo a não gostar de alguns pormenores... mas também pode ser só inveja.»

 

Helder Guégués às 21:48 | comentar | ver comentários (12) | favorito
Etiquetas: ,

«Gás nervino»?

Que nervos!

 

   Estava agora mesmo (e o nevoeiro lá fora a engolir o prédio, quando ainda ia andar mais 20 km de bicicleta) a ler um texto sobre a guerra na Síria em que se usa a expressão «gás nervino». Isto é português? Creio que sempre se diz e escreve «gás de nervos» (há vários). Bem sei que nervino é português, mas, dito isto, não está tudo dito. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista: «FARMÁCIA substância ou medicamento que actua sobre os nervos». Ao «gás nervino», contudo, só o vamos encontrar no Dicionário de Italiano-Português: «FARMÁCIA nervino; gas nervino gás nervino».

 

[Texto 7857]

Helder Guégués às 19:47 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Margarida e Rita

Relações íntimas

 

      «[Rita] Trata-se de um dos diminutivos mais sortudos, que se tornou independente há séculos da forma base que é “Margherita”» («O santo onomástico da semana», Enzo Caffarelli, O Meu Papa, ed. n.º 8, 19.05.2017, p. 58).

    Diminutivo, sim, mas diminutivo especial: para estes, devemos reservar a designação hipocorístico. Assim, Margaridinha é diminutivo, ao passo que Rita é hipocorístico de Margarida, mas que se tornou, como acontece também noutros casos, independente. Hipocorístico de Margarida é, igualmente, Guida.

 

[Texto 7856]

Helder Guégués às 17:58 | comentar | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas:
21
Mai 17

Léxico: «guarda-mão»

É esta

 

      Hoje vi, pela primeira vez, uma Honda X-ADV, com condutor e pendura, ali na rotunda mais estúpida e desnecessária de Portugal, a rotunda do Jumbo, em Cascais. E que tem este veículo peculiar, entre scooter e moto, de duas rodas? O que muitos outros têm, mas é uma sete e meio preparada para todos os terrenos (ei-la aqui na A2 a 184 km/h), e por isso com guarda-mãos. Acepção, diga-se, de que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora se esqueceu, pois guarda-mão, para este dicionário, é apenas «1. arco que resguarda a mão, entre os copos e a maçã da espada; 2. revestimento de madeira ou de metal que cobre o cano das espingardas e que protege a mão do atirador do contacto com o cano aquecido».

 

[Texto 7855]

Helder Guégués às 15:51 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,