22
Mai 17

Léxico: «metassulfito»

K2S2O5

 

    Então esta porcaria (com licença...) de sumo de limão contém metassulfito de potássio... Difícil, na verdade, é não o encontrar nos alimentos que usamos no dia-a-dia: vinagre, destilados, amido e farinha, cerveja, crustáceos, frutos secos e cristalizados, licores de frutos, marmeladas e geleias, produtos de panificação (com excepção do pão), sumos de frutas, picles, conservas, açúcar, etc. Não é, contudo, omnipresente: não o encontram no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

[Texto 7862]

Helder Guégués às 22:23 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «prova indiciária»

Sherlock Holmes

 

      «No início da repetição do julgamento [de Ana Saltão, inspectora do PJ] , no Tribunal de Coimbra, o procurador do MP [Jorge Leitão] repetiu a mesma tese presente na acusação, considerando que a inspetora deve ser condenada “com base em prova indiciária”» («MP mantém tese: inspetora da PJ é culpada de matar avó do marido», A. R., TVI, 22.05.2017, 14h02).

      O pobre leitor nem nos dicionários encontra apoio. Claro que fica com uma ideia, mas vaga, sobretudo porque nos filmes se segue a terminologia anglo-saxónica: prova circunstancial. Mas está bem: prova indirecta, indiciária, por presunções ou circunstancial é tudo o mesmo. É a prova obtida por meio de uma inferência lógica, em que de um facto conhecido se chega ao facto desconhecido.

 

[Texto 7861]

Helder Guégués às 22:13 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «eutanasista»

Teclas escorregadias

 

      «“Acho que há todo o direito a que as pessoas possam reclamar o suicídio ajudado ou a eutanásia, mas eu por exemplo, que sou médico, sei que não fomos treinados nem educados para isso e serei objector de consciência. Por isso estou numa situação muito desagradável que é por um lado dizer que acho que as pessoas têm todo o direito, mas eu não faço isso.” O Prémio Pessoa [Sobrinho Simões] diz que não foi formado para ser um eutasanista e antevê dificuldades na forma como se vai legislar sobre esta matéria» («Maria de Belém defende “sedação até à morte” em nome da “autonomia”», Susana Madureira Martins, Rádio Renascença, 22.05.2017, 13h09).

   A jornalista queria escrever eutanasista, que já tenho lido, mas atrapalhou-se com as teclas. Tal como se atrapalhou a escrever «sedação», que só está correcto no título e uma vez no corpo do artigo, pois nas outras ocorrências escreveu sempre «sedacção». Na Rádio Renascença, não costumam ser tão descuidados.

 

[Texto 7860]

Helder Guégués às 21:43 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
22
Mai 17

Léxico: «gratô»

O pior há-de ser o nome

 

      «É semelhante a uma gelatina com polpa e chama-se ‘gratô’. Este produto alimentar eco-inovador e 100% natural foi produzido por uma equipa de estudantes de mestrado da Faculdade de Ciências de Coimbra, com a colaboração da Escola Superior Agrária de Coimbra (FCTUC)» («Investigadores de Coimbra criam ‘gratô’. Novo alimento combina fruta e algas», Rádio Renascença, 22.05.2017, 10h46).

      O Ratatui não se lembraria de um nome mais francês. Mas está bem, desde que não tenha aspecto nojento e seja saboroso. Será que se escreve «eco-inovador»?

 

[Texto 7859]

Helder Guégués às 17:03 | comentar | ver comentários (7) | favorito