16
Jun 17

Léxico: «rega à manta»

Quase todos os dias

 

      Quase não há dia em que não leia ou não me lembre de uma palavra ou expressão que não estão dicionarizadas. A última foi ontem: rega à manta. É o nome dado à rega por alagamento, usada em várias culturas. A rega do lúpulo, por exemplo, é à manta. Isto sim, é engenho no uso da língua. Em relação a esta cultura, também se usa, e há muitas décadas, o termo vernalização, isto é, o frio de que precisa para vingar, mas não sei se não é simples cópia do inglês vernalization. Pode não ser, como sabemos, pois há muitos e muitos termos comuns a várias línguas. Também em castelhano, muito a propósito se diga, se usa a expressão «rega à manta».

 

[Texto 7925]

Helder Guégués às 08:51 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «manspreading»

Mas traduzido

 

      «A câmara municipal de Madrid decidiu lançar uma campanha contra as atitudes menos próprias de homens que se sentam nos transportes públicos de pernas abertas e ocupam um espaço maior do que deviam. Os autocarros vão ter autocolantes contra o manspreading» («Madrid luta com o ‘manspreading’», Destak, 16.06.2017, p. 11).

      E vão usar o termo inglês manspreading nos avisos? Ofereçam então, ao mesmo tempo, um dicionário. Não, não, em castelhano diz-se despatarre. E, é claro, é contra o «despatarre masculino». Mas, do que me lembro da última vez que usei transportes públicos colectivos, também há fêmeas — e não apenas fanchonas — dadas a estes repoltreamentos. E levam, homens e mulheres, para a estrada este comportamento, ocupando uma faixa e meia.

 

[Texto 7924]

Helder Guégués às 07:25 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
16
Jun 17

Léxico: «tecnicalidade»

Há melhor

 

      «Tecnicalidades limitam candidatura a Lisboa» (João Moniz, Destak, 16.06.2017, p. 11). Ia jurar que nunca tinha lido nem ouvido esta palavra, vinda directamente do inglês: tecnicality. Está registado nos dicionários, sim, mas usar-se-á no dia-a-dia? Já tínhamos tecnicidade, que leio por aí e uso. A outra questão é: terá sido usada com propriedade naquele título? E que «tecnicalidades» são essas no caso da escolha da sede da Agência Europeia do Medicamento? Segundo o jornalista, as «fáceis ligações aéreas para os cerca de oito mil funcionários da agência, escolas para os filhos desses trabalhadores e lista de edifícios com disponibilidade imediata para a sede ser instalada mal saia de Londres foram alguns dos pontos que terão sido apontados como impeditivos de uma candidatura forte no Porto».

 

[Texto 7923]

Helder Guégués às 07:09 | comentar | ver comentários (1) | favorito