12
Ago 17

Léxico: «arear»

Muita areia

 

      Volto a trazer para aqui uma notícia sobre o abastecimento de água em Almeirim. «Colapso de furo, que areou, deixou água canalizada de Almeirim com cor acastanhada» («Avaria na rede de água afetou 14 mil pessoas», José Durão, Correio da Manhã, 9.08.2017, p. 18).

     Nunca tinha visto o verbo arear em contextos semelhantes, mas suponho que está correcto, pois é uma das acepções registadas nos dicionários.

 

[Texto 8089]

Helder Guégués às 08:32 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
11
Ago 17

Léxico: «quimicotecnia»

Tão esquecidos...

 

      Ora vejamos: «Influenciada pela professora das disciplinas da área de quimicotecnia, Teresa Rocha-Santos, de 44 anos, começou a sentir fascínio pela química durante o ensino secundário, na escola de Monserrate, Viana do Castelo, onde vivia» («Fungo marítimo é solução para erradicar microplásticos dos oceanos», Joana Capucho, Diário de Notícias, 9.08.2017, p. 13).

     Parece que nenhum dicionário regista quimicotecnia, vá-se lá saber porquê. Não deixa de ser estranho, pois é uma disciplina que faz parte do currículo escolar.

 

[Texto 8088]

Helder Guégués às 06:50 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
10
Ago 17

Léxico: «biorremediação»

É bio, é bom?

 

      «Segundo os investigadores [da Universidade de Aveiro], esta é a primeira investigação a apresentar estratégias de biorremediação [um processo que utiliza organismos vivos para reduzir ou remover contaminações no ambiente] de microplásticos, daí que seja considerado o primeiro passo para resolver o problema de forma rápida e eficiente» («Fungo marítimo é solução para erradicar microplásticos dos oceanos», Joana Capucho, Diário de Notícias, 9.08.2017, p. 13).

      Cá temos mais um neologismo: biorremediação. Mas, reparo agora, dir-se-á mesmo «fungo marítimo», como se lê no título da notícia? Se se diz «organismo marinho», expressão usada no corpo da notícia, decerto que também se dirá «fungo marinho». Sinónimos, sim, mas não em todos os casos. Talvez a jornalista fosse levada a usar «marítimo» porque o nome do fungo é Zalerion maritimum.

 

[Texto 8087]

Helder Guégués às 09:38 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
09
Ago 17

Sempre o inglês

Uma doença nacional

 

      «A Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos critica a obrigatoriedade de usar nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) a versão inglesa do novo sistema de classificação de doentes ICD-10. “O SNS é português ou inglês?”, questionou, ontem, a OM, sobre o código que atribui uma verba a cada situação clínica» («Saúde. Ordem critica uso de língua inglesa», Jornal de Notícias, 8.08.2017, p. 11).

     Lá estão a despertar. Sim, porquê em inglês? ICD-10 é a sigla inglesa de Classificação Internacional de Doenças (CID); 10 porque é a 10.ª, que ainda não está a ser usada em todos os países.

 

[Texto 8086]

Helder Guégués às 22:32 | comentar | favorito
Etiquetas:
08
Ago 17

Léxico: «peitoral»

Cavalos e cães

 

      «Em vigor desde 2009, a legislação aponta para a obrigatoriedade de os donos andarem com o animal na via pública com um açaimo funcional que não lhe permita comer nem morder e, mesmo assim, devidamente seguro com trela curta de até um metro de comprimento, que deve estar fixa a uma coleira ou a um peitoral» («Cães perigosos atacaram mais de 100 pessoas por mês», Rogério Matos, Jornal de Notícias, 8.08.2017, p. 5).

      Senhores lexicógrafos, peitoral não é apenas o arreio que cinge o peito do cavalo: também passou a designar, não se esqueçam, algo semelhante para os cães.

 

[Texto 8085]

Helder Guégués às 22:02 | comentar | favorito
07
Ago 17

E neste caso, que significa?

Deixá-los

 

    «Almeirim sem abastecimento de água por colapso em furo de captação» (Rádio Renascença, 7.08.2017, 19h54).

     Colapso, meu Deus!, parece ser uma coisa má. Mas o que é isso, exactamente, podem dizer-nos? «“Esta madrugada entrou areia no sistema da rede de canalização, uma avaria que acontece de 20 em 20 anos, e está a afectar o normal abastecimento a toda a cidade”, disse à Lusa Pedro Miguel Ribeiro [presidente da autarquia], referindo que a avaria “obriga a fazer descargas da água que já se encontra na rede para limpeza das areias, o que, tendo em conta o seu volume e as dezenas de quilómetros de conduta, poderá demorar várias horas ou mesmo todo o dia.”» É como implementação: significam tudo e não significam nada. São ambas muito apreciadas por semiletrados e presunçosos.

 

[Texto 8084]

Helder Guégués às 20:57 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «bucha»

Já não é

 

      Qualquer dicionário nos diz que bucha, numa das acepções, é um pedaço de madeira ou de plástico que se embute numa superfície para nela se introduzir um prego ou, mais habitualmente, um parafuso. Pois é, mas também há buchas líquidas ou químicas. Tenho aqui à minha frente uma embalagem de bucha líquida da Baufix. É verdade que na embalagem também se lê que é massa de enchimento, mas em maior destaque está, e por duas vezes, a indicação de que se trata de bucha líquida. O líquido propriamente tem 25 g e vem acompanhado de uma seringa e duas ponteiras e tubos flexíveis, para facilitar a introdução do produto, que seca em menos de um minuto, na furação.

 

[Texto 8083]

Helder Guégués às 16:09 | comentar | favorito

«Tessela/téssera»

Se fosse apenas no Verão...

 

      «Noutra zona foram ainda descobertas peças de vidro dourado que compunham uma tessela (um conjunto decorativo), um indicador de que a cidade teve, mais tarde, uma igreja importante» («Descoberta a cidade perdida onde nasceram três apóstolos?», Rádio Renascença, 5.08.2017, 9h36). Hum..., mas no jornal que citam, o Haaretz, lê-se isto: «The excavators found walls with gilded glass tesserae for a mosaic, an indication of a wealthy and important church.» É o mesmo, téssera e tessela? Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, téssera tem três acepções: «1. pequena placa de metal ou marfim que, na antiga Roma, servia de bilhete de voto ou de entrada nos teatros; 2. nome dado aos objectos que serviam de senha, entre os antigos cristãos; 3. dado com marcas em todas as seis faces». Nenhuma se aplica, pois, ao contexto. Já de tessela diz isto: «1. pedra quadrangular para revestir pavimentos; 2. peça de mosaico». Não podia ficar por aqui a indagação. Vejamos o que se lê sobre tessera no Collins English Dictionary: «(Ceramics) a small square tile of stone, glass, etc, used in mosaics». Ainda que sejam sinónimos nesta acepção, está ausente do termo téssera no dicionário da Porto Editora, além de que no verbete de tessela a definição não é, nem de perto nem de longe, clara. Voltando à notícia da Rádio Renascença, repare-se na equívoca e, em qualquer caso, paupérrima explicação do que é: «um conjunto decorativo». Isto é preguiça, que seria desculpável se fosse apenas um fenómeno estival.

 

[Texto 8082]

Helder Guégués às 13:45 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «roda de Genebra»

À roda das palavras

 

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista «pensão de alimentos», e bem (não concordo com o nosso leitor J. C.), porque o faz no verbete de «pensão». Não devia também registar «roda dos alimentos», um conceito também muito usado? E, se acolhe «roda de Knight», não devia acolher igualmente «roda de Genebra» (Geneva stop, para a legião de anglófonos que nos segue), uma engrenagem que transforma um movimento de rotação contínuo numa rotação intermitente? O melhor dicionário da língua portuguesa teria tudo isto.

 

[Texto 8081]

Helder Guégués às 11:06 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «cagagésimo»

Não o corrijam, não

 

      «A nenhum de nós, fique claro, alguma vez passou pela cabeça duvidar das mirabolâncias que o Pires contava. Muito menos deixar transparecer um cagagésimo de incredulidade» (O Fim das Bichas é o Princípio das Filas, Alface. Lisboa: Fenda, 1999, p. 33).

    É incrível, mas não o encontramos no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Resultado: um dos nossos cronistas da moda (?) escreve-o à sua maneira, «cagajésimas», e o jornal, é claro, não o corrige, pois isso seria coarctar a sua liberdade criativa. Apre!

 

[Texto 8080]

Helder Guégués às 10:39 | comentar | favorito