13
Jul 17

Léxico: «turcomeno»

Manat et manabit

 

      «Na peregrinação de Julho participam bispos da Federação Russa, do Cazaquistão, da Bielorrússia e do Turquemenistão, outrora anexados pela URSS» («Aparição de Fátima tem “um significado especial” para a Rússia», Aura Miguel, Rádio Renascença, 13.07.2017, 1h04).

      E os naturais do Turquemenistão são os...? O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não sabe. São os Turcomenos, que é um povo turcófono, palavra que aquele dicionário também desconhece (regista turcófobo). Na verdade, daquele país só sabe que a unidade monetária é o manat, a mesma do Azerbaijão.

 

[Texto 8019]

Helder Guégués às 09:26 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
12
Jul 17

«Jardineta», de novo

E outra

 

      «Finalmente, enconchado no vale, dominando o vetusto casario da vila, o palácio de Sintra, coroado pelas duas enormes chaminés, campeia os seus terraços e varandins, alegrados de jardinetas e flanqueados de árvores umbrosas» (Guia de Portugal, Raul Proença (coord.). Lisboa: Biblioteca Nacional, 1924-27, p. 538). Ainda hoje a palavra é usada, e por isso seria bom vê-la nos dicionários, como já aqui desejámos.

 

[Texto 8015]

Helder Guégués às 19:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «escorreganço»

Menos uma

 

      «E alguns de nós, por nossa vez de coração compassivo para com a Sheila (ou, mais egoisticamente, temendo algum escorreganço das montadas...), imitámo-la: e parte da caravana assim atingiu as vetustas muralhas, a pé, com os cavalos à mão, como os antigos escudeiros respeitosos perante o amo» (Caça e Cavalo em Crónicas e Contos: (sensações, evocações, saudades), Eduardo Santos Silva. Lisboa: Dislivro Histórica, 2004, p. 208).

      Há estes, os escorreganços físicos, e há os escorreganços morais e os intelectuais. Ora, o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, para meu máximo espanto, ignora a palavra.

 

[Texto 8014]

Helder Guégués às 18:52 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
11
Jul 17

Léxico: «interprofissional»

Interprofessionnel

 

      «Ouvida no parlamento [sic], a dirigente Manuela Paupério sublinhou que os juízes têm uma soberania “limitada”, numa resposta às críticas de quem considera que os magistrados não deviam recorrer à greve. […] Depois da Associação Sindical dos Juízes, os deputados da comissão de Assuntos Constitucionais ouviram também o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público. José Albuquerque lembrou que, para evitar conflitos, o sindicato há muito propôs a criação de uma comissão interprofissional na área da justiça» («“Os juízes têm uma soberania limitada”», TSF, 11.07.2017, 18h51).

      Talvez quisessem soberania ilimitada. Queriam. Esqueçamo-los por agora. Se o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista interescolar, por exemplo (mas já vi escrito, em documentos de escolas, «inter-escolar», como também acham que se escreve «extra-curricular»), também devia acolher interprofissional — tanto mais que a encontramos no Dicionário de Francês-Português —, assim como intersectorial, muito usada.

 

[Texto 8009]

Helder Guégués às 21:24 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «apical»

Não têm

 

      De manhã, levei a minha filha a uma clínica dentária Smile.up — em breve uma em cada esquina, como a Padaria Portuguesa. Tudo bem, mas tiveram de lhe fazer uma radiografia apical, para verificar melhor. São aquelas radiografias em que a placa fotográfica se introduz na boca, estão a ver? Há três tipos: apical, oclusal e interproximal. Não sei se pela leitura da definição de apical no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora se chega a perceber do que se trata. Creio que não. Este dicionário nem sequer regista o vocábulo interproximal.

 

[Texto 8003]

Helder Guégués às 15:53 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
10
Jul 17

Léxico: «chuchalista»

Merecem, pois

 

      A propósito da notícia sobre a professora suspeita de divulgar o enunciado do exame nacional de Português do 12.º ano, alguém comentava algures que, «se for comuna, berlocas ou chucha, está safa». Como seria mais ou menos de esperar, os dicionários só registam comuna como termo coloquial, depreciativo, para nos referirmos aos comunistas, mas a verdade é que chucha/chuchalista anda por aí há muito: «— Muito bem! O chuchalista aqui dá-se bem com o comunista. Aqui não se discute, aqui respeita-se a opinião» (Este Verão o Emigrante là-bas, Olga Gonçalves. Lisboa: Moraes Editores, 1978, p. 125). Quanto ao Bloco de Esquerda, nem sequer bloquista o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista, quanto mais berlocas — se é que é este o mais usado. Mas já merece esta consagração, afinal, foi fundado há dezoito anos.

 

[Texto 7999]

Helder Guégués às 12:26 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,
09
Jul 17

Éguas, cavalinhos e PSP

Amnésia ou ignorância?

 

      Conseguimos, como se lembrarão, levar cavalinho — na acepção de levantar a roda da frente de veículos de duas rodas — para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Entretanto, comentou-se aqui que se dava o nome de égua quando era a roda de trás que se levantava, e já comprovei que assim é. Contudo, também esta acepção não está nos dicionários. Hoje li no Motor 24 um artigo em que se ensina a fazer cavalinhos: «“Easy Wheelies” – Ou como “sacar cavalinhos” facilmente (Parte 1)». Um pormenor quase despiciendo: o Código da Estrada, no artigo 90.º, proíbe «levantar a roda da frente ou de trás no arranque ou em circulação». Ora, tanto quanto sei, andar de moto e sacar cavalinhos é na rua e não em propriedade privada, onde a polícia não poderia meter o bedelho, que habitualmente se fazem. Temos de interjeccionar inglesmente: ups!

 

[Texto 7996]

Helder Guégués às 22:23 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «metrosídero/árvore-de-fogo»

Pobreza extrema

 

      «Abriram os metrosíderos, abriram em todo o seu esplendor, e agora já se pode dizer que começou o Verão. […] Já lhes chamámos árvores de fogo, mas os léxicos andam a encolher» («Homens de barba rija apanhavam os refrães ao longe e punham-se a cantar», Joel Neto, Diário de Notícias, 2.07.2017, p. 49).

      Ah, também já reparou... Se Joel Neto consultasse o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, ia ver que este dicionário não regista nem metrosídero nem árvore-de-fogo, ambos nomes comuns do Metrosiderus robusta, Cun., que encontramos em várias obras literárias.

 

[Texto 7994]

Helder Guégués às 14:12 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
08
Jul 17

Léxico: «jurispsicológico»

Não percebo

 

      «Quase um ano depois, um parecer “jurispsicológico” entregue pela sua defesa no julgamento afirma que tal confissão foi “condicionada” pelo próprio juiz e por uma colega da PJ» («Como pode a PJ controlar um inspetor cercado por dívidas sem o discriminar?», Carlos Rodrigues Lima, Diário de Notícias, 8.07.2017, 38).

      Nunca hei-de perceber — desisti há muito — a necessidade ou lógica destas aspas usadas pelos jornalistas. Se vislumbro algum sentido na segunda palavra entre aspas, na primeira nem vestígios. Deve ter-se assustado com a palavra — jurispsicológico —, mas foi justamente a sua diminuta frequência de uso que me sugeriu este texto.

 

[Texto 7991]

Helder Guégués às 21:07 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «pendão»

Isso é agora

 

      «Pela cidade de Miranda do Douro desfilam, este sábado, cerca de 60 pendões, peças únicas provenientes das aldeias mirandesas e das regiões espanholas de León, Aliste e Sayago. […] Os pendões são estandartes ou bandeiras de grandes dimensões, usados em cerimónias civis, religiosas e militares.

      No passado, eram ostentados em praticamente todo o reino de Leão, do qual esta região fez parte. Terão a sua origem nos pendões militares medievais que guiaram a reconquista cristã da Península Ibérica. Quando perderam a função bélica, a Igreja incorporou-os nos seus rituais religiosos, o que lhes permitiu chegar aos nossos dias» («Pendões medievais únicos desfilam em Miranda do Douro», Olímpia Mairos, Rádio Renascença, 8.07.2017, 12h18).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora decidiu abreviar a História: «espécie de bandeira grande ou estandarte que é levado em algumas procissões; pavilhão».

 

[Texto 7990]

Helder Guégués às 18:41 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,
06
Jul 17

Os árbitros e as árbitras

Eles e elas

 

      «“No calor do momento, reagi mal. Peço desculpa. Foi estúpido, não tinha a intenção”, Daniil Medvedev. Tenista atira moedas a uma árbitra portuguesa em Wimbledon» (Destak, 6.07.2017, p. 8).

      Basta usar-se, e paulatinamente deixa de ser estranho, não é? Então, só para experimentar: árbitra.

 

[Texto 7982]

Helder Guégués às 19:07 | comentar | favorito
Etiquetas: ,