«Caçar/cassar»

Uma triste confusão

 

      «“Graças a Deus, as pessoas ainda não têm consciência que mudou para o melhor [sic] do infractor. Antes de 1 de Junho de 2016, se eu cometesse três contra-ordenações muito graves no mesmo dia, era condenada por elas, ficava imediatamente com a carta caçada e, durante dois anos, não podia tirar uma nova. Hoje em dia, cometo no mesmo dia cinco contra-ordenações graves e três muito graves e tenho seis pontos retirados da carta”, critica Maria Teresa Lume [advogada que acaba de publicar um livro sobre contra-ordenações ao Código da Estrada]» («Os portugueses estão a morrer mais na estrada. Porquê?», Rádio Renascença, 15.07.2017, 9h00).

      Como se fala habitualmente em caça à multa, o jornalista nem pensou uma vez; mas não: é carta cassada, isto é, anulada. É uma vergonha que um jornalista dê estes erros. E ninguém o corrige, ninguém vê.

 

[Texto 8029]

Helder Guégués às 11:13 | comentar | favorito
Etiquetas: ,