14
Mai 17

Ortografia: «bem-haja ≠ bem haja»

Vamos lá desconfundir

 

      «Bem-haja, Papa Francisco!» Assim termina Frei Bento Domingues a sua crónica de hoje no jornal Público («Fátima: que futuro?», p. 39). Termina, e termina mal. Frei Bento Domingues, veja: «Bem haja, Papa Francisco!» Mas: «O nosso bem-haja, Papa Francisco!» Bem haja é uma forma de agradecimento equivalente a «muito obrigado»; bem-haja usa-se como substantivo. Os dicionários, temos de o reconhecer, não ajudam nada na distinção. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, por exemplo, no verbete obrigado, que define como a «exclamação que exprime agradecimento» (será? Então porque é que de grato não diz o mesmo?), devia acrescentar todos os sinónimos, entre os quais este bem haja. E, em bem-haja, talvez bastasse esta nota: «bem-haja ≠ bem haja».

 

[Texto 7831]

Helder Guégués às 11:27 | comentar | ver comentários (1) | favorito
13
Mai 17

Visões e aparições

Qual a novidade?

 

      Houve por aí alguma agitação quando, esta semana, o P.e Anselmo Borges falou de Fátima e disse, aos microfones da TSF, que na Cova da Iria não houve aparições, mas visões. Que grande novidade, realmente! Em terra de cegos... Só os jornalistas é que são apanhados de surpresa com estas afirmações. Leiam, se fazem favor, o comentário teológico de Joseph Ratzinger a propósito dos acontecimentos na Cova da Iria. Os três pastorinhos não são os videntes de Fátima? Então, os videntes têm visões. (Agora estudem bem o que são, para a teologia, visões.) Ainda assim, ontem, na RTP, António Marujo, jornalista de assuntos religiosos, não deixou de realçar, com alguma surpresa, que Francisco tivesse usado também a palavra «visões».

 

[Texto 7828]

Helder Guégués às 17:08 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
09
Mai 17

«Escopo/escopro»

Nem de longe

 

      «O artista de rua britânico Banksy desenhou em Dover, no Reino Unido, um mural com uma representação da bandeira da União Europeia (UE) e que remete para a decisão do Reino Unido de sair da organização comunitária. O mural apresenta um operário a bater, com um martelo e um escopo, numa das estrelas representadas na bandeira, provocando uma fissura simbólica na União Europeia» («Banksy com nova obra em Dover inspirada no processo do ‘Brexit’», Destak, 9.05.2017, p. 11).

     Pois, todos erramos — mas uns mais, outros menos. Um melhor conhecimento da língua, em que se incluem, obviamente, as variantes, evitaria este erro. Escopo e escopro não têm nenhuma relação, afinidade ou origem comum, nada. E, já agora, devo dizer que na pintura de Bansky me parece estar representado um ponteiro e não um escopro.

 

[Texto 7809]

Helder Guégués às 09:27 | comentar | ver comentários (9) | favorito
Etiquetas: ,
14
Abr 17

Menos uma confusão

Outra bojarda

 

      Aliás, a abécula, confusionista mais trapalhão do que os jornalistas que critica, diz que a bomba matou talibãs. Confunde insurgentes com extremistas. Ah, mas esperem, ele tem uma teoria: insurgente é um horrível anglicismo! Confunde, mais uma vez, etimologia com uso histórico do vocábulo. Até me apetecia oferecer-lhe o Lexicón etimológico y semántico del Latín, de Santiago Segura Munguía, que comprei esta semana, mas eu já lhe dou tanto, quando ele nada merece, é melhor não. Lá para o Natal ocupo-me novamente de ti, não fiques ansioso.

 

[Texto 7718]

Helder Guégués às 22:15 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «bojarda/bujarda»

Bojarda do dia

 

      Não vamos esperar pela «nossa especialista em língua portuguesa»: vamos mesmo nós lembrar àquela abécula que bujarda é uma coisa bem diferente de bojarda. Esta, a bojarda, é qualquer disparate ou calinada das grandes; peta; chuto violento; bujarda é um martelo com duas cabeças, usado no acabamento de cantaria. O que me espanta é que ele, armado em parvo e em olisipógrafo (ócios de funcionário público, suspeito), de certeza que já leu a expressão «pedra bujardada» (cá está mais um verbo, bujardar, ignorado pelo Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora), mas, pelos vistos, foi conhecimento tão efémero como manteiga em focinho de cão. Não se incomodem, ele vem cá ler.

 

[Texto 7716]

Helder Guégués às 16:48 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
05
Abr 17

Apóstrofo/apóstrofe

Apóstrofo, senhores, apóstrofo

 

      «Um auto-intitulado “vigilante linguístico” percorre as ruas de Bristol, em Inglaterra, durante a noite para corrigir os letreiros das lojas. O erro gramatical mais frequente da cidade é a colocação de apóstrofes. […] Considerado o “Banksy da pontuação”, o primeiro letreiro que corrigiu foi num edifício estatal que tinha, desnecessariamente, duas apóstrofes colocadas. O método de correcção é a colocação de adesivos por cima dos erros. […] Durante o dia, o zelador da língua de William Shakespeare trabalha como engenheiro e dedica-se à família» («Há um vigilante da gramática à solta nas ruas», Rádio Renascença, 5.04.2017, 20h21).

    Está certo: apóstrofe é do género feminino. Está errado: o sinal gráfico chama-se apóstrofo. Há séculos, desde sempre, não é assim desde 1990. Como é que o Banksy da pontuação ia resolver isto? Com autocolantes em milhares de ecrãs de computadores não dava. Claro que sabemos: em inglês, apostrophe designa tanto o sinal gráfico como o recurso estilístico. 

[Texto 7679]

Helder Guégués às 23:37 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
10
Mar 17

Uma mesa muito especial

Erros por todo o lado

 

      Loja de luxo. Na montra, várias peças de mobiliário, entre as quais uma mesinha minúscula muito bonita. Num cartãozinho, também de luxo, este miserável erro: «Mesa com gaveta e pernas espraiadas com aplicações cinzeladas em bronze dourado.» A única coisa espraiadíssima era o preço, de muitas centenas de euros. O que eu vi é que as pernas eram espiraladas e com aplicações cinzeladas de bronze dourado.

 

[Texto 7546]

Helder Guégués às 09:53 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
02
Mar 17

«Desmarcar-se»/«demarcar-se»

A tempo de aprender

 

      O fabuloso mundo do futebol... Ontem à noite, a taberna do pai do árbitro Jorge Ferreira foi vandalizada. «Está escrito», ouvi-o hoje de manhã em declarações à Antena 1, «nada me move contra ninguém. As pessoas desmarcam-se de tudo e de todos, eu não me desmarco da arbitragem, nem daquilo que gosto de fazer.» Diz aquilo que ouve, pois desmarcar-se é termo futebolístico — fugir à marcação do adversário. Contudo, o que Jorge Ferreira queria dizer era demarcar-se, ou seja, afastar-se do futebol. Como é, ao que parece, consultor financeiro, talvez fale apenas inglês no dia-a-dia, e por isso não domina a língua portuguesa... 

 

[Texto 7522]

Helder Guégués às 14:20 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
15
Fev 17

«Contar/contabilizar»

Usurpação de funções

 

      «Em menos de um mês, a nova Administração norte-americana já contabiliza a primeira baixa de peso. Há vários dias que a demissão do conselheiro para a Segurança Nacional, Michael Flynn, era uma notícia pronta para ser dada, mas a forma atabalhoada como o processo foi conduzido é apenas parte do início mais conturbado de uma Presidência na história recente dos EUA» («Saída de Flynn mostra caos da Casa Branca», João Ruela Ribeiro, Público, 15.02.2017, p. 23).

   E isso de contabilizar não é mais propriamente tarefa para os contabilistas, João Ruela Ribeiro? A Administração conta as baixas (e também tuíta muito).

 

[Texto 7480]

Helder Guégués às 08:51 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
20
Nov 16

Agora é assim?

Há aí confusão

 

      «Porém, há áreas em que o CC praticamente não sofreu alterações, como na parte geral, o primeiro livro, ligado aos direitos de personalidade, sublinha o secretário-geral [Carlos Sousa Mendes]; hoje, por exemplo, o chamado direito ao esquecimento no Facebook e nas redes sociais (a possibilidade de apagar de vez o nosso registo na InterNet se violarem a nossa intimidade), tem base em normas escritas há 50 anos, acrescenta» («O Código Civil fez 50 anos e não envelheceu mal», Joana Gorjão Henriques, Público, pp. 8-9).

      Então agora é assim que se escreve Internet? Nem está por acaso a confundir com Youtube/YouTube, não? E será mesmo necessário abreviar Código Civil daquela maneira, CC?

 

[Texto 7259]

Helder Guégués às 21:57 | comentar | favorito
Etiquetas: ,