10
Ago 17

Léxico: «biorremediação»

É bio, é bom?

 

      «Segundo os investigadores [da Universidade de Aveiro], esta é a primeira investigação a apresentar estratégias de biorremediação [um processo que utiliza organismos vivos para reduzir ou remover contaminações no ambiente] de microplásticos, daí que seja considerado o primeiro passo para resolver o problema de forma rápida e eficiente» («Fungo marítimo é solução para erradicar microplásticos dos oceanos», Joana Capucho, Diário de Notícias, 9.08.2017, p. 13).

      Cá temos mais um neologismo: biorremediação. Mas, reparo agora, dir-se-á mesmo «fungo marítimo», como se lê no título da notícia? Se se diz «organismo marinho», expressão usada no corpo da notícia, decerto que também se dirá «fungo marinho». Sinónimos, sim, mas não em todos os casos. Talvez a jornalista fosse levada a usar «marítimo» porque o nome do fungo é Zalerion maritimum.

 

[Texto 8087]

Helder Guégués às 09:38 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
21
Jul 17

Léxico: «queimódromo»

E outras que hão-de surgir

 

      «A EDP Corrida do Parque à Noite está de volta ao Parque da Cidade do Porto e a temática da edição deste ano é o universo e imaginário da saga Star Wars. A corrida e caminhada deste ano apresenta uma distância de 8 km, destinada a todas as classes etárias, e irá ter lugar no próximo sábado, dia 22 de julho, pelas 21h30, no Parque da Cidade do Porto, com partida e chegada no recinto do Queimódromo» («Corrida do Parque à Noite no sábado numa galáxia muito muito distante...», Destak, 21.07.2017, p. 2).

     Era, pois, só esperar, como disse: aqui pudemos ver pescódromo e aqui praxódromo. 

 

[Texto 8044]

Helder Guégués às 07:06 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas: ,
11
Jul 17

Léxico: «tomossíntese»

Apontai aí

 

      «Rastreio usa o método de Tomossíntese, com recurso a imagens a três dimensões. Governo lança também o projeto-piloto do Programa Regional do Cancro do Cólon e Reto para alargar a todo o país em 2018» («Rastreio do Cancro da mama com técnica inovadora no Algarve», Maria Augusta Casaca, TSF, 11.07.2017, 15h03).

      A tomossíntese — palavra que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora ignora — é a mamografia a três dimensões (3D).

 

[Texto 8006]

Helder Guégués às 18:27 | comentar | ver comentários (1) | favorito
04
Jul 17

Léxico: «juridismo»

Então é isso

 

      «Já o ministro [Azeredo Lopes] começa, e bem, por dizer que assume a responsabilidade política (o que quer que isso seja no caso vertente) e que o roubo — a que eufemisticamente e por um conveniente “juridismo” chama “furto” — é grave» («Um governo intermitente», Paulo Rangel, Público, 4.07.2017, p. 44).

      Curioso, eu também ia jurar que foi um furto. É porque Paulo Rangel — que me parece dizer nesta frase tudo e o seu contrário — sabe mais do que o ministro e do que eu. Juridismo não conhecia.

 

[Texto 7976]

Helder Guégués às 18:43 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas: ,
22
Mai 17

Léxico: «gratô»

O pior há-de ser o nome

 

      «É semelhante a uma gelatina com polpa e chama-se ‘gratô’. Este produto alimentar eco-inovador e 100% natural foi produzido por uma equipa de estudantes de mestrado da Faculdade de Ciências de Coimbra, com a colaboração da Escola Superior Agrária de Coimbra (FCTUC)» («Investigadores de Coimbra criam ‘gratô’. Novo alimento combina fruta e algas», Rádio Renascença, 22.05.2017, 10h46).

      O Ratatui não se lembraria de um nome mais francês. Mas está bem, desde que não tenha aspecto nojento e seja saboroso. Será que se escreve «eco-inovador»?

 

[Texto 7859]

Helder Guégués às 17:03 | comentar | ver comentários (7) | favorito
17
Mai 17

Léxico: «ciclotossauro»

Acabadinho de chegar do frio

 

      «Uma nova espécie de anfíbio, com 208 milhões de anos, o maior descoberto até à data na Gronelândia, foi anunciada por uma equipa internacional que integra os paleontólogos da Universidade Nova de Lisboa Octávio Mateus e Marco Marzola. […] O ciclotossauro [Cyclotosaurus naraserluki] da Gronelândia viveu há 208 milhões de anos, no Triásico, no início da evolução dos dinossauros, e permite aos paleontólogos melhor compararem fósseis de faunas escavadas em diferentes continentes» («Tem 208 milhões de anos e 2,5 metros. É o maior anfíbio da Gronelândia», Rádio Renascença, 17.05.2017, 10h41).

      Não precisamos de uma comissão de sábios: podem levá-lo para os dicionários. É também aí que tem de estar fossilizado.

 

[Texto 7840]

Helder Guégués às 14:13 | comentar | ver comentários (1) | favorito
13
Mai 17

Léxico: «cibersegurança»

Sempre à frente

 

      «“Vi que esse domínio não estava registado e pensei, “Acho que vou ficar com isso”, disse o especialista ao jornal digital “Daily Beast”. Por cerca de 10 dólares – o preço habitual de um qualquer domínio – os dois ciberseguranças conseguiram evitar que o vírus encriptasse mais computadores, uma vez que o ataque de sexta-feira mostrou uma capacidade alta de se propagar globalmente» («Como acabar com o ataque informático que deixou todo o mundo em alarme? Comprando um domínio por 10 dólares», Rui Barros, Rádio Renascença, 13.05.2017, 14h20).

      Pois é, a realidade vai sempre mais à frente: os dicionários registam o termo cibersegurança como o estado de protecção contra ciberataques, mas os falantes sentem necessidade de dar nome a quem faz da cibersegurança a sua actividade. É isto a evolução da língua, e não, por exemplo, deixar de escrever «bem-vindo», assim, com hífen, como se lê no cartaz no Marquês de Pombal, iniciativa de leigos católicos. Vá lá, puseram a vírgula: «Bem Vindo, Papa Francisco!»

 

[Texto 7827] 

Helder Guégués às 16:48 | comentar | ver comentários (1) | favorito
07
Abr 17

Léxico: «azeitólogo»

Por mim, perfeito

 

      «No sector da olivicultura, o tema vem por vezes à baila. Que nome dar ao criador de azeites? Técnico de azeite? Oleiólogo? Azeitólogo? Outro. Admito que se possa um dia arranjar um nome que não provoque risinhos. Mas, para o que hoje nos interessa, temos de dar os parabéns à empresa Masaedo, pelo facto de ter a coragem de — julgamos que pela primeira vez — mencionar nos contra-rótulos dos seus azeites o nome do azeitólogo que os cria [Nuno Rodrigues]» («Já temos um azeitólogo assumido», Edgardo Pacheco, «W»/Jornal de Negócios, 7.04.2017, p. 20).

      É pena é «o facto de», mas não compreendo os risinhos. Azeitólogo já anda por aí em livros, e não apenas em contra-rótulos. Se aparecer outro melhor, avisem. Mais estranho é, por exemplo, enólogo, e ele lá entrou nos hábitos.

 

[Texto 7689]

Helder Guégués às 18:52 | comentar | ver comentários (2) | favorito
22
Mar 17

Léxico: «nanocápsula»

Não há nas farmácias

 

    «A descoberta é de cientistas da universidade espanhola de Salamanca e consiste num aerossol que se usa como um inalador normal, através do qual entram no corpo nanocápsulas inteligentes capazes de levar o medicamento directamente às células dos tumores» («Método promissor de combate ao cancro pode poupar horas de tratamento a doentes», Rádio Renascença, 22.03.2017, 13h14).

    Vejo-o em dicionários de outras línguas, pelo que, se for para os nossos, acho muito bem. São cápsulas nanométricas, ocas e de forma esférica, que servem de invólucro para pequeníssimas quantidades de produtos farmacêuticos, enzimas ou outros catalisadores.

 

[Texto 7599]

Helder Guégués às 20:34 | comentar | ver comentários (1) | favorito
21
Mar 17

Léxico: «(des)emparelhar»

É impressionante

 

      De vez em quando, como agora, o meu Garmin Vivoactive fica desemparelhado do telemóvel. E não é fácil voltar a emparelhá-lo. Cá estão duas acepções de dois verbos diariamente usadas, e que os dicionários não registam. Estranhamente, diga-se. Logo numa área, como a das modernas tecnologias, em que o inglês impera, e não se aproveita para caucionar o uso de verbos da nossa língua.

 

[Texto 7585]

Helder Guégués às 07:55 | comentar | ver comentários (1) | favorito