«Tentadero/tentadeiro»

Ao tentame

 

 

      «Em Santarém, terra de touros e toureiros, matou-se um porco e assou-se, havia vinho e cerveja para um fim de tarde taurino. No tentadero (arena), uma vaca foi toureada e pegada» (Público, 24.05.2011, p. 4).

      É um espanholismo do âmbito da tauromaquia muito usado entre nós. E tentadero é mesmo «arena», como o jornalista amavelmente quis explicar? Para a última edição do Dicionário Espanhol-Português da Porto Editora, coordenado por Álvaro Iriarte Sanróman, que veio fazer esquecer os muitos disparates e as incompreensíveis omissões da edição anterior, de Julio Martinez Almoyna, tentadero traduz-se por tenta: «curral fechado para experimentar a bravura dos bezerros». Para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, «tenta» é a «lide especial para observação da bravura de novilhos ou novilhas, pouco tempo depois da ferra». Nenhum dicionário confirma que «tenta» é também o local onde se realiza essa lide.

   Ora, não seria esperar demasiado que os dicionários registassem o espanholismo — ou seria? O Grande Dicionário da Língua Portuguesa coordenado por José Pedro Machado não o regista, mas acolhe o aportuguesamento tentadeiro: «Lugar cercado, geralmente em forma circular, onde se procede às tentas do gado e onde o mesmo se ferra.»

      «É tão importante isto que em dias de vento ruidoso ou mesmo quando a brisa traga ao tentadeiro o perfume característico da campina, se devem evitar as tentas» (O Fado e as Touradas em Portugal, A. Martins Rodrigues. Lisboa: Publitur, 1969, p. 103).

 

 

[Texto 56]

 

Helder Guégués às 22:10 | comentar | favorito
Etiquetas: