«Júri/jurado»

Perturbante, alucinatório

 

 

      «A escritora brasileira Andréa del Fuego demorou sete anos a escrever o primeiro romance, Os Malaquias, que conta de certa maneira a história da sua família — os bisavós morreram quando a casa foi atingida por um raio — e foi publicado no Brasil quando ela tinha 35 anos. Ontem, grávida, recebeu, em Lisboa, o Prémio José Saramago 2011, que lhe foi atribuído por unanimidade por um júri que elogiou o romance “áspero, poético, original” (Nélida Piñon, jurada).

   O júri considerou ainda que a sua escrita surpreende pelos “insuspeitados recursos de estranheza na coloquialidade quotidiana” e que se desenvolve “num ritmo muito seguro, perturbante e por vezes alucinatório” (Vasco Graça Moura, júri). “Jamais poderia pensar, sonhar, ou tomar um ácido e delirar que eu ganharia o Prémio José Saramago. Não chegaria a esse delírio!”, disse a autora na cerimónia» («Prémio José Saramago para brasileira», Isabel Coutinho, Público, 26.10.2011, p. 13).

 

[Texto 611] 

Helder Guégués às 05:39 | comentar | favorito
Etiquetas: