Ortografia: «malvisto»

Água em pena de pato

 

 

      «É, pois, com base unicamente neste trecho de Iamblichus que se constrói toda uma tese de que as fraudes naquele tempo não eram mal vistas. O problema é que Iamblichus escreveu 800 anos depois de Pitágoras e que nenhum outro filósofo ou historiador antes de Iamblichus afirmou alguma vez tal coisa. Pior ainda, Iamblichus enganou-se, uma vez que a vasta maioria dos escritos da escola de Pitágoras é de discípulos que não assinaram com o nome do mestre, mas com os seus próprios nomes!» («Uma fraude é uma fraude, no século IV ou no século XXI», José Rodrigues dos Santos, Público, 13.11.2011, p. 52).

      «Ele queria deixar Tarcisis pacificada e, pelas informações de que dispunha, a minha permanência no duunvirato era malvista por muita gente que não me perdoara o suicídio de Pôncio, nem a condescendência para com os cristãos» (Água em Pena de Pato: Teatro do Quotidiano, Mário de Carvalho. Lisboa: Editorial Caminho, 1994, p. 316).

 

[Texto 673] 

Helder Guégués às 10:22 | comentar | favorito
Etiquetas: