Ensino

Então estamos longe

 

 

      «Uma das únicas conquistas recentes da escola portuguesa foi a “universalização” do Inglês logo no primeiro ciclo do ensino básico. Muitos municípios disponibilizavam de há muito esta possibilidade e o Governo anterior tratou de a estender a todos. É verdade que o ensino da Língua Inglesa, em muitos casos francamente “infantilizado”, ainda não obedece a um programa homogéneo e não dá garantias razoáveis de ser levado a sério em todo o lado. Mas o simples contacto com o Inglês é já um progresso. E o objectivo, à semelhança do que se passa nos países nórdicos, deve ser claro: dar aos jovens portugueses um domínio desta língua que esteja próximo do bilinguismo. Como bem prova o caso daqueles povos cujas línguas nativas são muito menos universais e estão em regressão demográfica, esse bilinguismo em nada faz perigar a língua materna ou a afeição nacional» («A defesa da segunda língua: back to basics», Paulo Rangel, Público, 22.11.2011, p. 36).

 

 

[Texto 709] 

Helder Guégués às 21:32 | comentar | favorito
Etiquetas: