«Nível», «a nível de»

Ainda nos lembramos

 

 

      «Infelizmente, constatar é um galicismo muito divulgado a nível citadino, mas que nada traz de novo ao português», lê-se no Prontuário Ortográfico Moderno (Porto: Edições Asa, 1985, p. 135), de Manuela Parreira, José Manuel de Castro e José Manuel de Castro Pinto. A desculpa é que isto foi escrito em 1985, e os leitores ainda não podiam atirar pedras para estes telhados de vidro. Emitem um julgamento desfavorável em relação a «constatar» — e com razão, diga-se —, mas usam uma expressão absolutamente bastarda: a nível. Use-se somente, e ainda assim com parcimónia, neste caso: «A nível de: Galicismo muito utilizado por intelectuais brasileiros, empregado também por portugueses, mas o seu uso só se justifica quando se pretende indicar movimento (exemplo: “a inflação elevou-se a níveis intoleráveis”)» (Normalização para Trabalhos de Conclusão em Educação Física, João Carlos Jaccottet Piccoli. Canoas: Ed. ULBRA, 2.ª ed., 2006, p. 134).

 

[Texto 727]

Helder Guégués às 00:21 | comentar | favorito
Etiquetas: