«De modo que»

Híbridos

 

 

      «O enredo do romance conta como Józio, um homem de 30 anos, é submetido a um rigoroso (e paródico) processo de infantilização, de modo a que volte a ser um adolescente inocente e ingénuo. É encaminhado para a inenarrável escola do professor Piórkowski, especializada em educar uma juventude inquieta e disparatada, que resiste ao ensino proferindo palavrões muito selvagens» («Infantilização em curso», Jorge Marmelo, «P2»/Público, 29.11.2011, p. 3).

      Não se deve empregar tal locução. Já tínhamos «de modo que», mas depois veio o galicismo «de modo a», «de maneira a», «de forma a». «Alguns escritores modernos», notou José Leite de Vasconcelos, «até somam as duas sintaxes uma com a outra, e dizem de maneira a que, não ficando pois nem português nem francês.»

 

[Texto 740] 

Helder Guégués às 09:39 | comentar | favorito
Etiquetas: