«Linha de Cascais»

Por mim

 

 

      Caro L. M., eu, pouco proclive a empregar letra grelada, como dizia Feliciano de Castilho, escrevo com maiúsculas: Linha de Cascais. A outra linha, a do caminho-de-ferro, é que escrevo com minúscula: linha de Cascais.

      «Posso abrandar a marcha, conduzir mais devagar, sem pressa de ir e ainda não ter em mente para onde, talvez espreitar os passos dos que moram na Linha de Cascais e que vão ao Cais do Sodré apanhar o comboio vazio dos domingos, ou ir deslizando ao longo de toda a 24 de Julho e da Avenida da Índia, a ver como é a noite, a noite lisboeta e dominical e como sopram os ventos do estuário, e como se me apresenta triste esta beleza escurecida e pálida dos poucos navios atracados às docas, e como tudo isto tem de súbito a cor, o movimento, o drama da minha depressão» (O Homem Suspenso, João de Melo. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1996, p. 25).

 

[Texto 741] 

Helder Guégués às 09:37 | comentar | favorito
Etiquetas: