30
Mai 11

Ortografia: «anti-social»

Demasiado previsível

 

 

      «“Não estava doente. Era reclusa”, disse o jornalista Bill Deedman, da MSNBC, que fez uma reportagem de investigação sobre a vida da filha daquele que foi, no seu tempo, um dos homens mais ricos dos EUA, e a quem o The New York Times chamou “a socialite antissocial”» («A multimilionária que viveu e morreu longe do mundo», Diário de Notícias, 27.05.2011, p. 43).

      Será assim de acordo com as novas regras ortográficas, mas, como o Diário de Notícias ainda segue a ortografia do AOLP45, está incorrecto. O jornalista deveria ter escrito «anti-social». Quando o jornal adoptar a nova ortografia, alguns jornalistas estarão anos seguidos a escrever em conformidade com as regras do AOLP45. Tudo demasiado previsível.

 

[Texto 74]

 

Helder Guégués às 23:08 | comentar | favorito
Etiquetas:

Léxico: «enteremorrágico»

Bastava pensar

 

 

      Ora vejam este caso: «A causa da propagação da bactéria Escherichia coli enterohemorrágica está ligada ao consumo de legumes crus, como pepino, tomate e salada, refere o Ministério da Agricultura alemão» («Bactéria em alimentos crus leva à morte», Ana Maia, Diário de Notícias, 27.05.2011, p. 20).

      Está-se mesmo a ver, senhora jornalista, um h interior sem ser num dígrafo. Estabelece o Acordo Ortográfico de 1945: «Se um h inicial passa a interior, por via de composição, e o elemento em que figura se aglutina ao precedente, suprime-se: anarmónico, biebdomadário, desarmonia, desumano, exaurir, inábil, lobisomem, reabilitar, reaver, transumar.» Assim, escrever-se-á enteremorrágico. Não foi apenas a informação que veio da Alemanha, mas também, e dispensávamos, o termo: enterohämorrhagische

 

 

[Texto 73]

Helder Guégués às 18:49 | comentar | favorito
Etiquetas:
30
Mai 11

Prefixo «sub-»

O domínio do mundo

 

 

      «Um homem de 47 anos apontou, ontem de manhã, uma arma à cabeça do comandante da Esquadra da PSP de Benfica e clicou no gatilho. A arma encravou e o sub-comissário da PSP ainda levou uma coronhada na cabeça e vários murros antes de conseguir deter o agressor» («Arma apontada à cabeça encravou», Luís Fontes, Diário de Notícias, 27.05.2011, p. 26).

     «Clicou no gatilho»! A informática domina agora completamente o mundo. Já quase a escrevermos segundo as novas normas ortográficas, e alguns jornalistas ainda não dominam as regras do Acordo Ortográfico de 1945. O prefixo sub- só se liga por hífen ao elemento seguinte quando este começa por b, h ou r. Logo, subcomissário.

      «Turvado agora pelo medo, o Jerónimo mediu o adversário bem de frente e premiu o gatilho» (Os Homens e as Sombras, Alves Redol. Lisboa: Publicações Europa-América, 1981, p. 53).

 

[Texto 72]

 

Helder Guégués às 11:03 | comentar | favorito
Etiquetas:
29
Mai 11

Cultura clássica

Ler não faz mal

 

 

      Quando se trata de cultura clássica, a tendência de muitos tradutores é deixarem nomes como os encontraram no original. Já vimos casos lamentáveis. No caso que hoje aqui trago, o tradutor escreveu que determinada personagem «representava o papel de Orestilla, a mulher de Catilina». Bem, também Barreto Feio grafou dessa maneira, mas era um tempo em que se escrevia «aquillo», «elle», «opposto»... Mas acrescenta o tradutor: «de quem Salusto disse que nunca um marido a tinha louvado». É o Salústio dos Espanhóis...

      «Catilina, perdido de amores por Aurélia Orestila, quis desposá-la e, como o filho desta se opusesse, corria que Catilina o envenenara, “acendendo na pira do filho o facho do himeneu com a mãe”, assim o conta Valério Máximo que também diz como em 651 Valério Valentino fora acusado por um poema pornográfico em que eram cantados o estupro de uma virgem e o desfloramento de um rapaz, com uma lubricidade genuinamente realista» (História da República Romana, Vol. III, Oliveira Martins. Lisboa: Guimarães & C.ª Editores, 1952, p. 90).

 

[Texto 71]

Helder Guégués às 13:18 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

«Prédio de gaveto»

Mal explicado

 

 

      No texto fala-se de prédios, quartos e lojas de esquina, o que me levou a pensar que actualmente a expressão «de gaveto» também se ouve menos. Segundo o Grande Dicionário da Língua Portuguesa coordenado por José Pedro Machado, prédio de gaveto é «a casa de esquina que forma um ângulo arredondado». O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista a expressão «de gaveto»: «diz-se do prédio com frente redonda, no ângulo de duas ruas». O Dicionário Priberam da Língua Portuguesa é mais parco: «prédio de gaveto: prédio de esquina». Ora, todos os prédios de esquina serão prédios de gaveto? Por outro lado, afirmar que é o prédio com frente redonda é subestimar a fertilíssima imaginação dos arquitectos: há prédios de gaveto sem formas arredondadas.

      Creio que o conceito é desconhecido no Brasil.

 

[Texto 70]

 

Helder Guégués às 11:41 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
29
Mai 11

Léxico: «boletineiro»

RIP

 

 

      «“Dois telegramas para David Coates”, informou o distribuidor de telegramas.» Pronto, menos uma palavra a circular por aí. Apesar de tanta tecnologia ao nosso dispor, ainda se enviam telegramas — mas os tradutores, como os falantes comuns, já não conhecem o vocábulo «boletineiro». Veja-se o perfil de funções neste (aqui) documento do IEFP: «Entrega telegramas aos destinatários, deslocando-se, normalmente, em motorizada: recebe os telegramas e verifica as moradas indicadas a fim de determinar o percurso a efectuar; desloca-se ao local e entrega o telegrama, registando a respectiva data e hora e solicitando a assinatura do destinatário no documento comprovativo.» De motorizada actualmente, pois dantes, mesmo em grandes cidades, como Lisboa e Porto, era de bicicleta que os boletineiros, que trabalhavam muitas vezes até à meia-noite, se deslocavam. Só se podia ser boletineiro até aos 21 anos. Servia, muitas vezes, de tirocínio para carteiro.

 

[Texto 69]

 

Helder Guégués às 10:20 | comentar | favorito
Etiquetas:
28
Mai 11

Particípio + substantivo

É como quiserem

 

 

      «Depois», escreveram aqui, «passados um ou dois dias habituei-me a estar com ele, mesmo nestas condições, embora uma tremenda melancolia começasse a pairar sobre a nossa relação.» Vou pôr João Gaspar Simões — coitado, tão esquecido agora, quase incitável — a responder: «Passado um ou dois meses, avisava o jornal de que, sentindo-se doente, regressava a Lisboa» (As Mãos e as Luvas: Retrato em Corpo Inteiro, João Gaspar Simões. Lisboa: Brasília Editora, 1975, p. 146).

      Anteposto ou posposto, o particípio concorda com o substantivo a que se refere. Neste caso, como o sujeito é composto, com os núcleos unidos pela conjunção ou a indicar alternativa, a concordância é feita com o núcleo mais próximo (o numeral «um»). Contudo, como há uma inversão — «Um ou dois dias passados» —, devemos admitir as duas concordâncias.

      «Magnífica como pano de fundo, para acompanhar; mas, se fica no primeiro plano, — passadas uma ou duas horas o nosso espírito, asfixiado, reclama ideias e pede acção» (Ensaios, Tomo II, António Sérgio. Lisboa: Seara Nova, 2.ª ed., 1929, p. 116).

 

[Texto 68]

 

Helder Guégués às 11:52 | comentar | favorito
Etiquetas:

«Sofrer melhoramentos»

Cuidado com as analogias

 

 

      «O canil interior, de onde ecoam os latidos estridentes dos animais em boxes exíguas — onde dormem, comem e fazem as necessidades, acorrentados — vai sofrer obras que permitirão ampliar o espaço disponível» («Obras no canil e gatil de Monsanto prontas até Fevereiro de 2012», Marisa Soares, Público, 26.05.2011, p. 26).

    Boxe, seja para cavalos seja para cães, parece-me anglicismo desnecessário. Melhor: desnecessário no primeiro caso, pois temos o termo «baia», e inadequado no segundo. Sofrer obras ou reparações é correcto, mas repare-se como muitas vezes, decerto por analogia, se diz também «sofrer benefícios», «sofrer melhoramentos», que são impropriedades de expressão que se devem evitar.

 

[Texto 67]

Helder Guégués às 10:26 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:
28
Mai 11

«Ter» e «possuir»

E «haver» e «existir»

 

 

      «O autor do vídeo, com 18 anos, por já possuir antecedentes criminais, poderá ser confrontado com uma pena de prisão efectiva» («Jovem agredida com violência já foi submetida a exames», Ana Rita Duarte, Público, 27.05.2011, p. 11).

      Só as poucas leituras e o escasso conhecimento da língua poderão explicar que os jornalistas não sintam diferenças de sentido entre possuir e ter, haver e existir.

 

[Texto 66]

Helder Guégués às 01:05 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: