02
Jun 11

«Enfermeiro sénior»

Para eles, é fácil

 

 

      «Ao perceber que ninguém fez nada, Bryan, um enfermeiro sénior com três décadas e meia de experiência, decidiu recorrer à BBC» («Tortura de deficientes em hospital choca britânicos», Patrícia Viegas, Diário de Notícias, 2.06.2011, p. 33).

      Mr. Bryan... Digo, o Sr. Bryan é senior nurse — e nós, decerto por influência anglo-saxónica, agora também temos enfermeiros seniores (espero que estes saibam pronunciar correctamente a palavra). Os antigos enfermeiros especialistas, enfermeiros-chefes e enfermeiros supervisores passaram a ter a categoria de enfermeiros seniores.

      Apesar de a nossa língua dever muito mais ao latim do que o inglês (que, ainda assim, tem no latim mais de 50 % dos seus étimos), não podemos fechar sempre os olhos e, complacentes, reconhecermos que antes importarmos anglicismos de matriz latina do que de matriz germânica. Mas não é tão simples. Pense-se só no caso do vocábulo «media» para designar os meios de comunicação social. Para o inglês, que também tem plurais que não somente em s, é fácil integrar todos estes neologismos.

 

[Texto 97]

Helder Guégués às 22:44 | comentar | favorito
Etiquetas:

Tradução

Poesia e prosa

 

 

      Maria Leonor Nunes entrevistou José Bento para o JL («José Bento. Afición e poesia», JL, 1060, Maio de 2011). Quando o poeta e tradutor afirmou que «temos a impressão de que é mais difícil traduzir poesia», a entrevistadora não deixou passar a oportunidade: «E não é?» Respondeu o tradutor de D. Quixote: «Não. Por vezes, a prosa até pode ser mais difícil. Os valores que estão em jogo na poesia não são os mesmos da prosa. Posso dar um exemplo supremo, D. Quixote de la Mancha. Ainda hoje, não tenho a certeza do que Cervantes queria dizer com certas expressões. Por exemplo, palavras que caíram em desuso, cujo significado mudou ou que simplesmente não se sabe o que queriam dizer ou que num sítio têm um significado e a 40 quilómetros querem dizer uma coisa diferente.»

 

[Texto 96]

Helder Guégués às 21:25 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «audimetria»

Não peçam tanto

 

 

      Ah, os dicionários... Como é que se pode pretender que o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa registe o vocábulo «audimetria» se nem sequer acolhe o muito mais vulgar «audiometria», o estudo metrológico da audição? A audimetria é o sistema de recolha electrónica de informação sobre o comportamento de determinado público em relação aos programas de televisão através de um aparelho denominado audímetro. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora só regista «audiometria».

 

[Texto 95]

 

Helder Guégués às 21:11 | comentar | favorito
Etiquetas:

Aspas e maiúscula

Águias, Leões, Dragões

 

 

      «FC Porto e Benfica decidem hoje quem conquista o título de campeão nacional de basquetebol. O sétimo e derradeiro encontro da final do play-off realiza-se esta noite (20h30, SPTV1), no terreno dos “dragões”. “Está tudo nas mãos do FC Porto e há muito tempo que não perdemos um jogo no Dragão Caixa”, sublinhou o treinador dos “azuis e brancos”, Moncho López, referindo-se à invencibilidade caseira da equipa nesta época. […] Por seu lado, o técnico do Benfica acredita que a maior experiência dos “encarnados” em jogos decisivos poderá desequilibrar a eliminatória» («Dragão Caixa recebe hoje a “negra” que decide o título», T. P., Público, 2.06.2011, p. 36).

      Um leitor pergunta-me se as aspas em «negra» se justificam. Não justificam. O termo pertence à gíria desportiva e está dicionarizado, o que, de qualquer modo, não é condição para se usar sem aspas. Como não se justificam em «dragões», «azuis e brancos» e «encarnados». Estes nomes, aliás, deviam ser grafados com maiúscula inicial: Dragões, Leões, Águias...

 

[Texto 94]

Helder Guégués às 13:18 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
02
Jun 11

Tradução

Árvore Ellen!?

 

 

      Os tempos ainda pediam que se encontrassem nomes portugueses para as personagens, escrevi eu, mas vejam agora. Grace e Amy estão a descansar depois de uma corrida à volta do campo — «liderada por Ned», diz a tradução recente; «com Nuno à frente», lê-se na tradução antiga.

      «— Não gosta de andar a cavalo? — perguntou Grace a Melita, que estava a descansar, depois de uma corrida em volta do campo com as outras, com Nuno à frente.

      — Sou doida por isso. A minha irmã Gui costumava montar quando o pai era rico, mas agora não temos cavalos, a não ser a Ellen Tree.

      — Conte-me tudo a respeito da Ellen Tree. É um burro? — perguntou Grace cheia de curiosidade» (Mulherzinhas, Louisa May Alcott. Tradução de Maria da Graça Moura Brás. Lisboa: Portugália Editora, s/d, p. 167).

      «— Não gosta de montar? — perguntou Grace a Amy, enquanto repousavam depois de uma corrida à volta do campo com os outros, liderada por Ned.

      — Tenho talento para tal. a minha irmã, a Meg, costumava montar quando o nosso Pai era rico, mas agora já não nos resta nenhum cavalo, excepto a Árvore Ellen — acrescentou Amy, rindo.

      — Fala-me de Árvore Ellen. É uma mula? — perguntou Grace, curiosa» (Mulherzinhas, Louisa May Alcott. Tradução de Ana Mendes da Silva. Alfragide: Edi9, 2010, p. 128).

 

[Texto 93]

Helder Guégués às 09:12 | comentar | favorito
Etiquetas: