18
Jun 11

Prefixo «anti-»

Tudo de uma vez

 

 

      Há anos que ando a avisar que o prefixo anti- é seguido de hífen somente se o elemento seguinte começar por h, i, r ou s. Salvo em relação a nomes próprios, um caso que também já tratei, não há excepções. Só é de espantar quando o erro aparece em livros revistos (mal, claro). Nos jornais, só vai sendo de admirar quando acertam. No exemplo, triplamente: «Newt Gingrich: “A Administração Obama é antiemprego, antiempresas, antienergia americana”» («Barack Obama foi o alvo e Portugal entrou no debate dos candidatos republicanos», Kathleen Gomes, Público, 15.06.2011, p. 14).

 

 

[Texto 177]

Helder Guégués às 22:22 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas:

Sobre «irradiar»

Lançar raios de luz

 

 

      Acabei agora mesmo de ler três vezes o verbete, e por isso posso garantir: o Dicionário Houaiss não regista a acepção «afastar» do verbo «irradiar». E o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa também não. José Pedro Machado também desconhecia a nupérrima acepção, mas o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora acolheu-a no seu seio despreconceituoso.

 

[Texto 176]

Helder Guégués às 22:20 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

«Apelar para»

Não me convencem

 

 

      Correspondendo ao apelo da leitora Cristina e aproveitando ter-me passado agora mesmo pelos olhos uma frase com a regência errada («Muitos apelam à extin­ção da RTP.»), eis mais uma vez: a regência do verbo «apelar», na acepção que a frase acima exigia, é apelar para. A mim, basta-me esta notinha de Francisco Fernandes na página 83 do seu magnífico Dicionário de Verbos e Regimes: «APELAR A ALGUÉM ou A ALGUMA COISA é regência condenada pelos mestres.» Bem podem os novíssimos linguistas de pacotilha dizer o contrário.

      Eis um mestre: «Ao final, todos, mesmo os paulistas, apelaram para a ação do Governo, seja com a abertura de crédito barato, seja mediante legislação favorável à imigração, seja por medidas que possibilitassem o emprego do trabalhador nacional» (Emancipação dos Escravos: Projeto Dantas (dos sexagenários) e o parecer que o justifica, Rui Barbosa. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1988, p. VII).

 

[Texto 175]

Helder Guégués às 20:35 | comentar | ver comentários (11) | favorito
Etiquetas:

Da linguagem dos magistrados

Isto tem de mudar

 

 

      A directora do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), em comunicado, referiu que o infeliz caso do copianço se deu numa «exercitação realizada pelos auditores de Justiça do XXIX Curso Normal de Magistrados Judiciais e do Ministério Público», que envolveu 137 candidatos. Ontem, no Jornal das 9, Mário Crespo admitia que o vocábulo existia, sim, senhor, mas era uma forma pouco comum de alguém se referir a um simples teste ou exame. De facto, tratando-se de um comunicado, é para toda a população, e a gíria da área ou a linguagem rebuscada não se adequam ao fim em vista: esclarecer. É uma infeliz manifestação da linguagem prescritiva, bebida nas próprias normas, dos magistrados, que não estão habituados a comunicar, pelo menos no sentido etimológico do termo, antes a discursar solipsisticamente. Quando o bastonário da Ordem dos Advogados afirma que o sistema judicial português é medieval, é também nisto que deverá estar a pensar.

      Exercitação foi termo muito da preferência de António Feliciano de Castilho: «Outra vantagem de não leve monta lhe provirá desta exercitação: acostumar-se-á desde logo a variar por muitos modos a linguagem para ocorrer às sucessivas exigências dos vários metros; extraordinário recurso que depois se aplaudirá de possuir» (Tratado de Metrificação, António Feliciano de Castilho. Lisboa: Imprensa Nacional, 1851, p. 101). (Actualização ortográfica minha.)

 

[Texto 174] 

Helder Guégués às 09:50 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
18
Jun 11

«Aura/áurea/auréola»

Imparável

 

 

      Avisada embora, Mafalda Lopes da Costa prossegue o seu inexacto labor linguístico: «Mas inicialmente os ídolos não tinham sequer a áurea de carne e osso que têm hoje» (Lugares Comuns, Mafalda Lopes da Costa, 17.06.2011).

      Anda, nos últimos tempos, tudo muito confundido: «aura», «áurea», «auréola». A atmosfera que rodeia ou parece rodear alguém ou alguma coisa tem o nome de aura. Corrigida neste sentido, porém, nem assim a frase de Mafalda Lopes da Costa me parece fazer sentido.

      «Estacou diante da grande Bíblia de bordas douradas e seixas de couro pendentes como chapelões, fechada em seu suporte de madeira lavrada e irradiando de repente uma aura mágica» (O Sorriso do Lagarto, João Ubaldo Ribeiro. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1991, p. 47).

 

 [Texto 173]

Helder Guégués às 08:43 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: