24
Jul 11

Ortografia: «Buçaco»

Wellington escreveria o mesmo

 

 

      «A Comissão Europeia aprovou ontem o financiamento de perto de duas centenas de novos projectos ambientais na União Europeia, um dos quais de protecção da mata do Bussaco, ao qual atribuiu 3 milhões de euros» («UE dá 3,5 milhões a projectos ambientais portugueses», Diário de Notícias, 20.07.2011, p. 14).

      Fundação Mata do Bussaco (FMB) — é o nome da fundação criada para preservar a mata do... Buçaco, grafia que se pode ler na restante página da Internet. Idiossincrasias... Leiam aqui a etimologia do topónimo de que faz eco Forjaz de Sampaio.

 

 

[Texto 336] 

Helder Guégués às 23:43 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Ortografia: «gim-tónico»

Um gim, dois gins

 

 

      Experimente o leitor pesquisar «gin-tónico» no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora em linha. O que julga que aparece? «Sintónico» («sintônico» para os Brasileiros). Ah, sim, «gin» está registado neste dicionário. E até «gim», que remete para aquele. Só no Dicionário Houaiss vejo registado — «gim-tónico». Estivesse no plural e não saberíamos qual o singular em mente.

      «Usa os fatos no corte o mais banal possível, põe a primeira gravata que lhe aparece no caminho, faz os nós mal feitos, anda quase sempre desfraldado, liga pouco à forma física, gosta de conversar pela noite fora com os amigos enquanto bebe gin-tónicos, é desorgarnizado [sic], desarrumado, despreza algumas exigências do jornalismo (entrevistas de carácter pessoal, perfis em família, reportagens para as quais os políticos enviam as suas fotos de infância), prefere tascas a restaurantes ‘finos’. Diz-se adepto do FC Porto» («O que os une e o que os separa», João Pedro Henriques, Diário de Notícias, 20.07.2011, p. 10).

      Uma vez que estou neste capítulo etílico, aproveito para lembrar que o nome do coquetel feito com gim e vermute branco se escreve martíni. Que o comedido Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora também não regista.

 

 

[Texto 335] 

Helder Guégués às 23:15 | comentar | ver comentários (14) | favorito
Etiquetas:
24
Jul 11

Léxico: «canastro»

Coisas antigas

 

 

      «As eiras tradicionais e os canastros, ou espigueiros, são outro ponto de interesse, porque estas estruturas ainda hoje servem para o armazenamento de espigas e outros produtos que a terra, fértil e ribeirinha, brota» («Ciclo do linho em Várzea de Calde», Amadeu Araújo, Diário de Notícias, 20.07.2011, p. 49).

      Sim, canastro é sinónimo de espigueiro, o que todos os dicionários registam. O que poucos registam é caniceiro, o nome por que na serra do Soajo são conhecidos os espigueiros, aqui não de granito mas de vergame das carvalheiras.

     N’A Ilustre Casa de Ramires, Eça de Queirós fala num espigueiro: «Ao fim da vinha, junto aos milheirais, uma figueira brava, densa em folha, alastrara dentro dum espigueiro de granito destelhado e desusado.»

 

[Texto 334]

Helder Guégués às 08:25 | comentar | ver comentários (6) | favorito
Etiquetas: