01
Ago 11

Tradução: «test drive»

Fica a demonstração 

 

 

      Sobre low cost já estamos conversados. Agora em relação a test drive, o que podemos fazer? Vejam esta frase: «It was a demonstrator, and would be driven by ***, the Cadillac distributor.» O tradutor verteu assim: «Era um carro que se usava para fazer demonstrações, e devia ser conduzido por ***, o agente da Cadillac.» Isto, porém, foi há cinco décadas, agora não resistiram a traduzir com recurso a... test drive! Fica a proposta: traduzir test drive por «demonstração». O contexto quase sempre guia o leitor para o sentido. 

 

[Texto 366] 

Helder Guégués às 16:18 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

«Bem», adjectivo invariável

O desgosto do vilegiaturista

 

 

      Agora que Montexto está em vilegiatura, aproveitemos para falar desta questão. Lê-se no original: «Pretty soon there would be a whole colony of Jews in the neighborhood, and the *** children and all the other nice children in the neighborhood would grow up with Jewish accents.» A tradução, que data de 1963, diz o seguinte: «Muito em breve haveria, na vizinhança, uma autêntica colónia de judeus, e os filhos dos *** e as demais crianças bem adquiririam o acento semita.»

      Esta acepção do adjectivo invariável «bem» («criança bem»/crianças bem») ainda não estaria, certamente, registada no início da década de 1960, mas ei-la a ser usada numa tradução literária. «Bem»: conveniente; socialmente irrepreensível. Espero que a famigerada 8.ª edição do Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora registe a acepção.

 

[Texto 365]

Helder Guégués às 13:05 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas:

Pronome de tratamento

Oh, Senhor!

 

 

      O Frente-a-Frente de terça-feira passada, entre o senhor Alfredo Barroso e a senhora Teresa Caeiro, na Sic Notícias, aqueceu, tudo porque estes senhores se ofendem se alguém os trata por senhor. Oh, Senhor! «Eu não fui indelicado. A senhora já foi indelicada comigo. Já me começou a tratar por senhor Alfredo» (Jornal das 9, Sic Notícias, 28.07.2011). Estas altas personagens ficam ofendidas com um pronome de tratamento que indica delicadeza!

 

[Texto 364] 

 

Helder Guégués às 08:39 | comentar | ver comentários (16) | favorito
Etiquetas:

Linguagem

Assim fala Passos Coelho

 

 

      «Por momentos, ontem, o Parlamento entrou num pronto-a-vestir, pela voz do cantor de fado, como em tempos lhe chamou a revista brasileira Veja. “Fiquei satisfeito de saber que a Europa se estava a vestir de mecanismos mais eficientes contra o risco sistémico.” Os deputados entreolharam-se a pensar que estranha marca de vestuário seria aquela, mas logo tiveram uma possível resposta. É roupa preparada para o Outono/Inverno: “Hoje, a Europa está em condições de se resguardar melhor”, explicou Passos Coelho. As metáforas com roupa atraem o primeiro-ministro. Antes de o ser, em Março, já dizia que “se fosse primeiro-ministro, não estávamos hoje com as calças na mão, a impor mais um plano de austeridade porque o Estado não cortou onde era necessário”. O imposto extraordinário é outro retalho, está visto» («O pronto-a-vestir da Europa para não ficar de calças na mão», Diário de Notícias, 30.07.2011, p. 13).

 

[Texto 363]

Helder Guégués às 07:33 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
01
Ago 11

Linguagem

Cresceu

 

 

      Há largos meses que eu o tinha recomendado, agora aconteceu: «Valter Hugo Mãe está sempre “à procura” de formas de reinventar a prosa. Com lançamento previsto para Setembro, o novo romance, O Filho de Mil Homens (Objectiva/Alfaguara), é, segundo o escritor, “um livro diferente dos outros” que já publicou. Para começar: um adeus às minúsculas. “Acredito que as pessoas vão reconhecer o meu estilo, mesmo com as maiúsculas e com dois pontos; antes só usava ponto e vírgula”. Estética à parte, até porque, diz, não é o mais importante, aqui é campo de experimentação, este é o seu livro “mais cândido”» («Agora com maiúsculas», Vanessa Rodrigues, Notícias Sábado, 30.07.2011, p. 42).

      Os aspectos formais da escrita, de uma obra literária, são mera estética, Vanessa Rodrigues?

 

 

[Texto 362] 

Helder Guégués às 00:02 | comentar | ver comentários (6) | favorito
Etiquetas: