13
Ago 11

Linguagem

Nada de gralhas, mais uma vez

 

 

      «Não consigo é parar de ler quando estou enlevado. Nem sou capaz de abandonar um livro para fazê-lo durar mais tempo. É a única regra. Mas é raro o romance que não tenha longueurs. Por outro lado, há livros menos bons que são viciantes e que nos obrigam a lê-los até ao fim, sejam mais curtos (The Small Hand, de Susan Hill) ou mais compridos (The Stranger’s Child, de Alan Hollinghurst)» («O vira dos livros», Miguel Esteves Cardoso, Público, 13.08.2011, p. 39).

      Prefiro, e não sou o único, colocar o pronome antes do verbo («fazer», no caso), visto este estar no infinitivo precedido de «para». (E, desta vez, não será um anglicismo a empecer a leitura do texto, mas um galicismo.)

 

[Texto 394]

Helder Guégués às 12:44 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas:

Acordo Ortográfico

Logomaquias

 

 

      «No PÚBLICO de 9 de Agosto, Fernando dos Santos Neves apresenta “onze teses contra os inimigos do Acordo Ortográfico”. Vendo bem, não são onze teses. Fernando dos Santos Neves limita-se a contabilizar os parágrafos do seu texto e nem todos são teses. Alguns parágrafos repetem, por outras palavras, o que é dito em parágrafos anteriores; outros limitam-se a insultar quem está contra o Acordo Ortográfico.

      Na verdade, o texto de Fernando dos Santos Neves assenta em dois ou três pressupostos que já foram por diversas vezes rebatidos, inclusivamente neste jornal, mas que, aparentemente, teremos de continuar a rebater.

      Diz Fernando dos Santos Neves que o Acordo Ortográfico é apenas um Acordo sobre a ortografia “e não um Acordo sobre o vocabulário, a sintaxe, a pronúncia, a literatura e tudo o resto”. Não é um Acordo sobre o vocabulário?! Não prevê o AO “um vocabulário ortográfico comum da língua portuguesa, tão completo quanto desejável e tão normalizador quanto possível” — o qual, diga-se de passagem, ainda não existe?» («Acordo Ortográfico: o que importa, agora, é rejeitá-lo de vez», Rui Valente, Público, 13.08.2011, p. 36).

      Estarão Fernando dos Santos Neves e Rui Valente, que se apresenta como subscritor da Iniciativa Legislativa de Cidadãos pela revogação da entrada em vigor do AO90, a falar do mesmo?

 

[Texto 393] 

Helder Guégués às 12:07 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Caracteres especiais

É diferente

 

 

      Na obra pergunta-se se será significativo, patético ou irrisório «que, numa casa romena, os retratos detestados de Ceausescu tenham sido substituídos por fotografias, recortadas de revistas, das personagens da série televisiva Dallas». No original lê-se Ceauşescu, com o carácter especial ş, que equivale a um dígrafo. Ninguém, contudo, mudará a grafia — porque não é costume entre nós grafar esse nome com os caracteres originais. Mas também aparecia o nome Raphael Confiant e alguém emendou para Raphaël.

 

[Texto 392]

Helder Guégués às 11:50 | comentar | favorito
Etiquetas:
13
Ago 11

Concordância

Aprender com os melhores

 

 

      «Esta gafanhotice literária só é possível com e-livros, seja qual for o e-leitor. Com uma pilha de livros, mesmo sendo-se afoito, dá um certo trabalho mudar de comboio. Então numa esplanada. Não: as voltas do Kindle sou eu quem as dou» («O vira dos livros», Miguel Esteves Cardoso, Público, 13.08.2011, p. 39).

      Fosse a frase analisada por Mimi Costa, que provavelmente não liga a gralhas, no Algodres Online e a sentença seria breve: «[...] o  pronome relativo “quem” (que é um pronome da 3. ª pessoa do singular e significa “a pessoa que”), obriga a utilizar sempre essa 3.ª pessoa do verbo (fez). Assim, evite dizer: “sou eu quem escrevo” ou “são eles quem resolvem”». Quase desapareceu da escrita literária, mas a verdade é que é absolutamente correcta esta concordância com o pronome relativo quem. Nestes casos, citam-se exemplos de Fernando Pessoa («Sou eu quem descrevo»), Jorge Amado («Eram os filhos, estudantes nas Faculdades da Baía, quem os obrigavam a abandonar os hábitos frugais») e, para os mais exigentes, Rui Barbosa («Sou eu quem perco») ou Gonçalves Dias («Sou eu quem prendo aos céus a terra»).

 

[Texto 391]

Helder Guégués às 10:57 | comentar | ver comentários (19) | favorito
Etiquetas: