Tradução: «boat-house»

Não enfileira entre os novíssimos

 

 

      «There were times, she said, of a evening, when he talked of their old life in the boat-house; and then he mentioned Emily as a child, he never mentioned her as a woman» (David Copperfield, Charles Dickens). Claro que podemos, em abstracto, dizer que nunca usamos essas palavras, mas, e se as temos de traduzir? Cabral do Nascimento, em 1969, fez assim: «Havia ocasiões, à noite, disse-me ela, em que falava dos tempos do barco-residência e da infância de Emily, mas nunca da mocidade da rapariga» (Lisboa: Portugália Editora, p. 761).

 

[Texto 477]

Helder Guégués às 16:52 | comentar | ver comentários (11) | favorito
Etiquetas: