17
Set 11

«De resto»

De reliquo

 

 

      Agora já encontrei autores que afirmam que «de resto» é um galicismo fraseológico, que está em vez de «quanto ao mais». Mas Vittorio Bergo (Erros e Dúvidas de Linguagem. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1986, p. 121) escreve: «DE RESTO – Locução acoimada de galicismo mas defendida e abonada por bons autores, já que traduz o latim de reliquo. “De resto, tratavam-se com aparente cordialidade.” (AH, Lendas, II, 252).» Se Alexandre Herculano usou...

      Por acaso estou a ler uma tradução do francês, com o original à frente, e comprovei que as seis ocorrências de du reste que apresenta foram todas pobremente vertidas por «de resto». Ora, não se podia traduzir uma ou outra por «finalmente», «aliás», «além de que»?... Nem temos necessidade de lançar mão de formas mais coriáceas como «ademais» e mesmo «quanto ao mais».

 

 [Texto 491]

Helder Guégués às 22:17 | comentar | ver comentários (23) | favorito
Etiquetas:

Sobre «dióspiro»

Já vem dos Gregos

 

 

      «Só os diospiros, este ano, cumpriram a ordem contemplada. Tão doce como maldita e mal amada. Espero a mesma ortodoxia por parte das romãs. Têm a virtude de ficarem bem em casa, sem perigo de serem comidas» («Dá Deus nozes», Miguel Esteves Cardoso, Público, 17.09.2011, p. 39).

      É assim que muita gente diz ­e escreve — mas mal, pois é vocábulo proparoxítono, embora na página 1264 o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa ache que é indiferente. E como a primeira forma que registada nesta dicionário é «diospiro», estará por aí explicada a prevalência. Mais avisado andou o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras, que só regista a forma esdrúxula.

       («O Atlas Linguístico de Portugal deveria começar precisamente por estas investigações in loco, que têm a virtude de ser mais completas e até por vezes exaustivas» (Miscelânea de Língua e Literatura Portuguesa Medieval, Manuel Rodrigues Lapa. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1982, p. 406)).

 

[Texto 490] 

Helder Guégués às 21:11 | comentar | ver comentários (8) | favorito
Etiquetas:

Acordo Ortográfico

Tu és Pedro, e sobre esta pedra

 

 

      Há minutos, Pedro Rolo Duarte, no programa Hotel Babilónia, da Antena 1, usou a palavra «estupefacção». E pronunciou — coisa que eu nunca tinha ouvido em dias da minha vida — sonoramente o primeiro c: estupefaCção. Estupefacto fiquei eu. Bem, sendo assim, não está capaz de aplicar as regras do Acordo Ortográfico. Agora leia-se esta afirmação do consultor D’Silvas Filho no Ciberdúvidas: «Os cientistas que estudaram o novo AO resolveram uniformizar foneticamente as sequências consonânticas. Assim, consegue-se mais facilmente saber se a consoante se escreve ou não: cai se for muda na pronúncia. Por exemplo, em Portugal, deve escrever-se estupefacto porque o c se pronuncia, mas estupefação porque nesta palavra já não se pronuncia o c.» (A primeira frase é um tudo-nada esotérica, acho eu, e não é tanto pelos «cientistas».)

 

[Texto 489] 

Helder Guégués às 11:12 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas:
17
Set 11

Prefixo «contra»

Está na hora

 

 

      «Alega José Rocha Quintal que “não seria de bom senso avançar para o julgamento sem esses elementos”. Mas há outras questões a ter em conta, até porque o advogado de defesa do jovem admite pedir “contra-perícias”. E se se esgotar o prazo de prisão preventiva? “Haverá essa possibilidade. O Luís teria de ser colocado em liberdade para enfrentar o julgamento”» («Atraso de exame pára julgamento», Paula Carmo, Diário de Notícias, 16.09.2011, p. 16).

      A lógica deve ser esta: como é demasiado simples, deixam isso para os leitores. Não me parece bem, pois eu paguei o jornal — façam favor de escrever bem. Nos compostos formados com o prefixo «contra», se emprega o hífen quando o segundo elemento tem vida à parte e começa por vogal, h, r ou s.

 

[Texto 488] 

Helder Guégués às 07:48 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: