09
Dez 11

«Pôr a hipótese»

Vem de todos os lados

 

 

      «A carta, manuscrita e em italiano, referia “três explosões contra bancos, banqueiros, carraças e sanguessugas”, o que leva a polícia a colocar a hipótese de duas outras cartas armadilhadas terem sido enviadas» («Carta armadilhada no Deutsche Bank», Diário de Notícias, 9.12.2011, p. 35).

   «Mas a professora, quando pus a hipótese de me aportuguesar, informou-me que havia vários professores que desejavam conhecer-me e eu teria portanto de me aperrear outra vez no colete» (Conta-Corrente, Nova Série, III, Virgílio Ferreira. Lisboa: Bertrand Editora, 1994, p. 213).

 

 

[Texto 793] 

Helder Guégués às 15:16 | comentar | ver comentários (8) | favorito
Etiquetas:

«De encontro a/ao encontro de»

A confusão continua

 

 

     «A escolha de Hugh Laurie, 52 anos, estrela da série televisiva Dr. House, para dar a cara pela nova campanha da marca de cosméticos L’Oréal não é inocente e vai de encontro ao novo homem com quem os homens se querem identificar (e que as mulheres querem ter)» («Retro, maduro, macho», Raquel Costa, Diário de Notícias, 9.12.2011, p. 28).

      A confusão continua. Cara Raquel Costa, se a escolha de Hugh Laurie fosse contra o «novo homem com quem os homens se querem identificar», o omnipotente marketing teria escolhido outra estrela. Neste caso, o sentido pedia a locução prepositiva ao encontro de, que se emprega para referir uma situação favorável.


[Texto 792] 

 

Helder Guégués às 14:56 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

«Desconcertar»

Língua desconcertada

 

 

      De muito e diverso se fala aqui no blogue, mas se parece que perdemos tempo quando tratamos de estrangeirismos e matéria afim, não é assim. Pretende-se tão-somente ter consciência da língua que se fala. Por exemplo, desconcertar, no sentido de causar perplexidade, que não é hoje em dia muito frequente, não é galicismo em estado puro?

      «Isto de certa maneira desconcerta. Desde o princípio do século XIX que Portugal, em mais de um sentido, foi um protectorado inglês. A Inglaterra provocou na prática a independência do Brasil. A Inglaterra armou e pagou o movimento liberal para invadir o iníquo reino do senhor D. Miguel» («A nova sessão de patriotismo», Vasco Pulido Valente, Público, 9.12.2011, p. 44).

      Vem do francês déconcerter: «Surprendre quelqu’un, lui faire perdre l’assurance de son jugement ou de la conduite à tenir.» No tempo de Bluteau, apenas se desconcertava um relógio, um pé, um acordo. Agora, o desconcerto é universal. E a língua evolui — pois claro. Espera: «evoluir» não foi acoimado de galicismo?! Evoluciona, então. Evolve, seja. Evolute, e não se fala mais nisso. Esta, outra variante, Camilo usou-a, e agora os dicionários não a registam.

 

[Texto 791]

Helder Guégués às 12:33 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas:

Revisão

Para a próxima

 

 

      Ainda o livro de Mário Zambujal (Já não Se Escrevem Cartas de Amor. Revisão de Eda Lyra. Lisboa: A Esfera dos Livros, 2008, 4.ª ed.), desta vez a propósito do uso destrambelhado do itálico e de alguma pontuação.

 

  1. (Ocorre-me: castanho e verde eram as cores daminha farda de lusito da Mocidade Portuguesa.)» (p. 10);
  2. «Resultado: onde ele estava era o ai-jesus. Inclusive as patroas, abundavam de salamaleques para tão gentil visitante» (p. 29);
  3. «O móbil do crime não foi o roubo. Nem carteira, nem anel com safira incrustada e fio grosso em ouro, tinham despertado a cobiça do criminoso» (pp. 29-30);
  4. «O próprio jornal se abalançava a afastar a hipótese de acidente, salientando que o local onde o corpo foi encontrado não tinha por perto, nem escadas nem relevo de pedra ou metal sobre os quais o infeliz pudesse ter tombado» (p. 47);
  5. «— Porra César, ao menos explica-te!» (p. 66);
  6. «Eu vi, uma mulher dos seus cinquenta, com o guarda-chuva feito lança, tentando subir ao ringue para trespassar o patife que saltou a pés juntos na barriguinha do preferido dela» (p. 69);
  7. «Tinham copos na mão e beberricavam o que me pareceu capilé» (p. 107);
  8. «Passo pela estante, retiro um policial de bolso, Maigret e o Caso Picpus, de Georgs Simenon» (p. 117);
  9. «Trouxe para esta casa um bom stock de livros que se amontoavam na residência de Lisboa e os policiais das colecções Xis e Vampiro, além de outros, vieram todos» (p. 117).

 

[Texto 790] 

Helder Guégués às 11:16 | comentar | ver comentários (62) | favorito
Etiquetas:

Verbo «colocar»

Uma batalha perdida

 

 

      «Foi com o livro seguinte, “Os Emigrantes”, quatro histórias de exílios, traduzido para inglês em 1996, que [W. G. Sebald] conquistou a crítica inglesa e americana. Quando “Austerlitz” – a história de um homem que vai lentamente recordando quem é e como chegou a Inglaterra, num dos comboios do Kindertransport que trazia crianças judias da Europa Central para as colocar a salvo do extermínio – saiu, pouco antes de Sebald morrer, o sucesso, com pedidos de entrevistas, convites para sessões literárias e festivais, e contratos para os próximos livros, já tinha invadido o seu mundo protegido em East Anglia» («Sob o signo de W. G. Sebald», Susana Moreira Marques, Ípsilon, 9.12.2011, p. 9) «A estação de Lowestoft está quase igual à imagem que Sebald colocou no seu livro, mas onde naquela imagem havia janelas agora há tábuas pretas. De um lado da estação, um restaurante de “fish and chips”, fechado há muito. Do outro lado, o McDonald’s e a High Street com mais e mais cadeias» (idem, p. 10).

 

[Texto 789]

Helder Guégués às 10:09 | comentar | ver comentários (8) | favorito
Etiquetas:
09
Dez 11

Plural dos apelidos

Os Sousas na Baixa

 

 

      «Todos os anos pelo feriado, Ana e Loures vêm à Baixa para as compras de Natal. Mãe e filha cumprem a tradição, mas desta vez levam menos presentes para casa. A crise assustou os Sousas, que este ano decidiram trocar presentes apenas entre os membros mais chegados da família» (Jornal da Tarde, repórter Pedro Oliveira Pinto, RTP1, 8.12.2011).

 

[Texto 788]

 

Helder Guégués às 09:51 | comentar | ver comentários (32) | favorito
Etiquetas: