24
Jan 12

Sobre «rapto»

Já não há engano

 

 

      Pergunta um leitor à Fundéu: «¿Hay alguna diferencia entre rapto y secuestro? He leído recientemente el último libro de Vargas Llosa, El sueño del celta, en cuya página 308 dice que un tal Aurelio Rodríguez era responsable de “un abultado prontuario de raptos, violaciones, mutilaciones, secuestros y asesinatos”.» Resposta: «Hasta hace poco tiempo, el rapto era el delito consistente en llevarse a una mujer por engaño o a la fuerza o cuando es menor, y también, por extensión, el secuestro de personas para pedir rescate. La primera acepción ha desaparecido en la última edición del Diccionario académico.» Por cá passa-se o mesmo. Vejamos no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Rapto é o «acto ou efeito de capturar alguém de forma violenta e mantê-lo aprisionado, exigindo, em geral, dinheiro em troca da sua vida». Quanto ao engano, foi-se. Em Morais, rapto ainda era o roubo, «v. g., da mulher que se leva violentada, ou com promessa de casamento».

 

[Texto 1011]

Helder Guégués às 10:30 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas:

«De cima até baixo»

E podia estar mal

 

 

   «Procuraram de cima até baixo, durante toda a tarde, e não encontraram nada» (Tesouro Mágico, Gwyneth Rees. Tradução de Paula Alves e revisão da tradução de Ana Maria Chaves. Lisboa: Edições Asa, 2.ª ed., 2011, p. 75).

   Nem tudo está mal, pois claro. A locução adverbial mais usada é de cima a baixo. Se intercalarmos «até», fica de cima até baixo ou, como também se vê, de cima até a baixo, sem elisão doa. Numa comédia traduzida por Bocage, uma personagem pergunta a outra se já varreu a escada. «De cima até baixo.»

 

[Texto 1010]

Helder Guégués às 08:22 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
24
Jan 12

Sobre «terna»

E temos pena

 

 

      «Blázquez» [arcebispo de Valhadolid], lia-se no El País de ontem, «que fue presidente de la Conferencia Episcopal, ha afirmado que a partir de ahora pedirá al Ayuntamiento que le presente una terna de candidatos, a pesar de que la designación unilateral del pregonero corre a cargo del Ayuntamiento desde hace más de 15 años.»

     É o conjunto de três pessoas propostas para que se designe de entre elas a que desempenhará um cargo. Não temos o vocábulo. Parecido apenas, temos terno, conjunto de três entidades, seres, objectos, etc., de igual natureza; trilogia, trio, trindade, como se lê no Dicionário Houaiss.

      (De Valhadolid dizem alguns que não é português nem espanhol. Contudo, na página 1052 do Vocabulário da Língua Portuguesa de F. Rebelo Gonçalves, leio: «Valhadolid, top. Equiv. vern. do esp. Valladolid. V. B. Anal., VIII.» A remissão é para as Bases Analíticas do Acordo Ortográfico de 1945.)

 

[Texto 1009] 

Helder Guégués às 07:05 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: