05
Fev 12

«Deve e haver»

Mais vale prevenir

 

 

      «Dois novos acessos de espirros impediram-me de chegar ao fim do retrato. Para evitar uma depressão clínica, evoquei mentalmente alguns pontos positivos neste dever e haver, que manifestamente existem, a começar pela melhoria da qualidade do ar e da água, a revolução no tratamento do lixo, a consideração vinculativa do ambiente nas decisões sobre grandes projectos» («Mapa fatídico», Ricardo Garcia, Pública, 5.02.2012, p. 55).

      Pode ser gralha, mas quem sabe? É que há cerca de cinco anos um estudante — talvez agora doutorando — perguntava ao Ciberdúvidas se não seria mais correcto «dever e haver». Não é. A expressão, consagrada, é deve e haver.

 

[Texto 1066]

Helder Guégués às 18:17 | comentar | favorito
Etiquetas:

O gerúndio em todo o seu esplendor

Já faz parte

 

 

      «Stir vigorously, wiping drool from your chin with shirt-sleeve.» Na tradução: «Agite vigorosamente, limpando a baba do queixo com a manga da camisa.» «Agitar limpando»?! É mais uma exibição do gerúndio copulativo. Bem, o Google não traduz muito pior: «Mexa vigorosamente, limpando a baba do seu queixo com camisa de manga.»

 

[Texto 1065]

Helder Guégués às 17:54 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Ortografia: «primeira-dama»

Agora é pior

 

 

      Com a adopção das novas regras ortográficas, quase sempre a trouxe-mouxe, deu-se uma razia nos hífenes. «Michelle Obama é a responsável pelo programa Let’s Move (que em português poderá ser qualquer coisa como Toca a Mexer) ao qual a primeira dama dedica bastante do seu tempo» («Michelle Obama foi ao tapete, mas venceu Ellen», Fernanda Mira, Diário de Notícias, 3.02.2012, p. 53).

      Cara Fernanda Mira, antes e depois do Acordo Ortográfico de 1990, é «primeira-dama» que se escreve. Diga lá em casa e no emprego, se faz favor.

 

[Texto 1064]

Helder Guégués às 16:31 | comentar | favorito
Etiquetas:

Léxico: «sorumbatismo»

Está noutros

 

 

      «À aproximação da paragem seguinte, onde tudo se resolveria, a pressão sonora foi baixando, o entusiasmo cedeu e os passageiros mergulharam novamente no sorumbatismo em que antes vegetavam. A compactação tornou-se omnipresente e eu fugi logo que pude, duas paragens antes da habitual, reencontrando o oxigénio, mas sem saber o resultado do julgamento» («“Estás a brincar ou o quê?”», Ricardo Garcia, Público, 5.02.2012, p. 37).

      O substantivo «sorumbatismo» não está registado em todos os dicionários. Não está registado, por exemplo, no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, mas já sugeri que o incluísse. «Agradecemos as suas sugestões/comentários, que serão merecedores da nossa análise.»

 

[Texto 1063]

 

Helder Guégués às 13:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
05
Fev 12

«Culpabilizar»

Esqueça isso

 

 

   «Seria injusto culpabilizar a greve, este direito inalienável dos trabalhadores. Mas não fosse a paralisação nos transportes e o 36 não estaria tão cheio. E quando digo cheio, estou a ser modesto. O autocarro estava à cunha e os passageiros, ensardinhados, lutavam pelo seu espaço como cães a um osso» («“Estás a brincar ou o quê?”», Ricardo Garcia, Público, 5.02.2012, p. 37).

    Caro Ricardo Garcia, não precisava de usar o verbo «culpabilizar», se tem «culpar». Para os que conseguem discernir matizes, aposto até que diriam que, neste contexto, não usariam o neologismo.

 

[Texto 1062]

Helder Guégués às 13:28 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: