08
Mar 12

«Que compara com»?

Vagamente português

 

 

      «Alexandre Soares dos Santos foi o único milionário português que aumentou o seu património no último ano. Segundo a lista dos mais ricos do mundo, ontem divulgada pela revista Forbes, o dono das cadeias Pingo Doce e Biedronka (Polónia) tem actualmente uma fortuna de 2,5 mil milhões de dólares (1,9 mil milhões de euros), que compara com os 2,3 mil milhões de dólares apurados para o ranking de 2011» («Dono do Pingo Doce foi o único milionário que aumentou a sua fortuna», José Manuel Rocha, Público, 8.03.2012, p. 16).

 

[Texto 1196]

Helder Guégués às 08:16 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas:

«Sociopoliticoeconómico»?

Tenham lá paciência

 

 

      «Helena Vasconcelos é crítica literária. Lançou em Fevereiro Humilhação e Glória (ed. Quetzal), um fresco sobre as mulheres das artes, letras e ciências que, ao longo dos séculos, marcaram as suas áreas. Nesta obra, as escritoras, artistas e investigadoras portuguesas, muitas das quais pouco divulgadas ou mesmo estudadas, surgem enquadradas nos sucessivos contextos sociopoliticoeconómicos internacionais, olhando-se para trás até nomes como Hipácia de Alexandria e Leonor de Aquitânia» (Público, 8.03.2012, p. 27). Eh lá! O novíssimo Público anda a exagerar. Tudo fundido? Vá lá com um hífen: sociopolítico-económico. Ou mesmo, por respeitar mais a natureza dos elementos, com dois: sócio-político-económico.

 

[Texto 1195]

Helder Guégués às 08:11 | comentar | ver comentários (6) | favorito
Etiquetas:
08
Mar 12

«Passagem hidráulica»

Agora somos engenheiros

 

 

      «Nos dias 9 e 10 de Março, dezenas de cidadãos de Vila Real vão construir um muro com 40 centímetros de altura, dos dois lados da estrada nacional EN313 – que liga Vila Real a Lamas de Olo –, num troço de 1400 metros. “Esta estrada já tem uma série de passagens hidráulicas por baixo da estrada. Aquilo que vamos fazer é construir um murete que conduza os anfíbios até essas passagens, para diminuir a mortalidade acidental por atropelamento, que no ano passado foi muito elevada”, disse ao PÚBLICO Carlos Lima da Divisão de Planeamento da Câmara Municipal de Vila Real» («Voluntários vão ajudar salamandras e sapos do Alvão a atravessar a estrada», Helena Geraldes, Público, 8.03.2012, p. 29).

      É o nome que se dá às estruturas, de secção circular, rectangular ou arqueada, que permitem a drenagem transversal das estradas.

 

[Texto 1194] 

Helder Guégués às 08:10 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: