02
Jun 12

«Em linha» por «online»

Desalinhado

 

 

      «O Governo italiano vai endereçar uma carta à Comissão Europeia na qual pedirá que o IVA para a edição de livros e diários em linha, atualmente de 21%, seja equiparada [sic] à taxa reduzida em vigor para os livros, diários e periódicos em papel, que é de 4%. A proposta deverá ser endereçada à Comissão na primeira quinzena de junho» («Baixar a taxa de edições em linha», J.-M. Nobre-Correia, Diário de Notícias, 2.06.2012, p. 43).

      Ainda se vê pouco, mas alguns corajosos — em cujo número, não sei porquê, não contava J.-M. Nobre-Correia — usam a locução em linha em vez da omnipresente online. Obrigado.

 

[Texto 1634]

Helder Guégués às 23:05 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

O uso patológico das aspas

Nunca sabemos

 

 

      «Além dos tradicionais dois beijinhos, a princesa das Astúrias brindou a primeira dama [sic] com uma “festinha” no ombro pouco habitual de se ver nestas ocasiões» («Adeus com “gratidão” ao povo português», Lina Santos, Diário de Notícias, 2.06.2012, p. 45).

      Vamos lá ver, cara Lina Santos: a primeira-dama (então agora deixaram de usar o hífen nesta palavra?) recebeu ou não um afago, uma carícia no ombro prodigalizado pela princesa das Astúrias? Estou em pulgas para saber, mas as aspas deixam-me na dúvida.

 

[Texto 1633]

Helder Guégués às 22:57 | comentar | favorito
Etiquetas:

O teatral verbo «haver»

Caçado na Antena 1

 

 

      Jardins de Serralves. No noticiário das 6 da tarde, na Antena 1, ouvi que está lá o Teatro mais Pequeno do Mundo: uma rulote que não leva mais de 15 pessoas. Ouviu-se então parte — pequena, Deus seja louvado! — de uma peça e uma voz masculina: «E a história que vos vou contar, cacei-a na Noruega. E na Noruega, há muitos, muitos anos atrás, no tempo dos trolls, haviam três irmãos.»

      Esta e outras histórias vão ser contadas vezes sem conta nas próximas 40 horas, informaram. Pobres espectadores. Ide, correi.

 

[Texto 1632]

Helder Guégués às 19:26 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «escribariato»

Outro proletariado, ou não

 

 

     Também nunca visto, mas claramente menos castiço do que «esterlinto» e «escoiriçar»: «Na civilização suméria, os escribas pertenciam às famílias mais ricas e o escribariato (que excluía as mulheres) era um ofício muito considerado.»

 

[Texto 1631]

Helder Guégués às 15:00 | comentar | ver comentários (10) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «automaca»

Pouco vista

 

 

      «Dois homens morreram ontem à noite no IC22, em Lisboa, na sequência do despiste do motociclo de grande cilindrada em que seguiam. O despiste mortal ocorreu cerca das 21.25, junto ao acesso daquela via para a Ramada. Os dois homens morreram no local, tendo a PSP feito deslocar para o sítio do desastre a automaca do Comando Metropolitano de Lisboa» («Despiste de moto provoca dois mortos», Diário de Notícias, 2.06.2012, p. 48).

      «Maca montada em veículo automóvel», regista, e nem todos o fazem, o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

[Texto 1630]

Helder Guégués às 11:33 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

«Mandato da Rainha»?

Qual deputada

 

 

      «Desde o século XVI que cada monarca britânico tem sido também o Governador Supremo da Igreja de Inglaterra, mas isso não significa que Isabel II seja a chefe da Igreja. “É a pessoa que tem a decisão final sobre o que a Igreja pode ou não fazer em termos de lei”, disse o arcebispo de Cantuária, Rowan Williams, o quinto a ocupar este posto durante o mandato da Rainha» («Papel de Isabel II como ‘defensora da fé’ em causa», Susana Salvador, Diário de Notícias, 2.06.2012, p. 29).

      Também se pode falar de mandato quando nos referimos ao reinado de um monarca? E eu não escolheria a palavra «posto».

 

[Texto 1629]

Helder Guégués às 11:29 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
02
Jun 12

«Dançarinos maoris»

E uns cortes

 

 

      «Mas nem todos são seus fãs. O jornal conservador The Times escreveu: “A razão pela qual é tão comum dizer que a Rainha faz muito bem o seu trabalho é porque ela na realidade não tem trabalho nenhum, a não ser que consideremos como tal o facto de olhar para os dançarinos Maori com um sorriso congelado nos lábios» («A Rainha que já deu conselhos a 12 primeiros-ministros britânicos», Susana Salvador, Diário de Notícias, 2.06.2012, p. 29).

      Quase, quase, Susana Salvador: então não é «dançarinos maoris» que se diz? Ora experimente lá consultar o tão acessível Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. E a frase precisava de uns cortes, não da tal nefanda tesoura que por aqui pervagou, qual alma penada, mas de uma criteriosa.

 

[Texto 1628]

Helder Guégués às 11:10 | comentar | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas: