«Por si sós»

Variável, sim

 

 

      Acabo de ler que «é preciso alimentarmos os nossos dons, porque eles não se desenvolvem por si só». Por si só é uma locução adverbial, equivalente a isoladamente, só por si, e por isso invariável, fixa, ou temos de fazer a concordância entre o adjectivo «só» e o substantivo «dons»? A concordância, vimo-lo já bastas vezes, é um aspecto nuclear da língua portuguesa. Neste caso, julgo que não estamos perante uma locução adverbial.

      «Dizer que tudo isto se há-de reconquistar é pensamento fundado só no desejo; porque tendo mostrado os portugueses que eles por si sós se podem defender, é certo que os émulos de Espanha os hão-de assistir e ajudar, como fizeram a Holanda, invencivelmente» (Sermões, Tomo IX, António Vieira. Lisboa: Editores, J. M. C. Seabra & T. Q. Antunes, 1856, p. 335 [ortografia actualizada por mim]).

      «Estas circunstâncias, independentes de quaisquer outras, explicar-nos-iam por si sós a falta de todos os vestígios da publicação e execução da bula de 17 de Dezembro, pelo menos nos primeiros seis ou oito meses de 1832» (História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal, Tomo I, Alexandre Herculano. Lisboa: Imprensa Nacional, 1864, 2.ª ed., p. 242 [ortografia actualizada por mim]).

      «E chamam-se mudas, porque por si sós, não se podem pronunciar, nem soam sem ajuntamento das vogais» (Ortografia e Origem da Língua Portuguesa, Duarte Nunes de Leão. Lisboa: INCM, 1983, p. 52).

 

[Texto 1681]

Helder Guégués às 08:46 | comentar | ver comentários (60) | favorito
Etiquetas: