09
Jul 12

«Precursor/percursor»

Politicamente correcto

 

 

      «As primeiras mulheres a andar de bicicleta foram vistas como percursoras do movimento de emancipação feminina e chocaram uma sociedade conservadora. “Nos finais do século XIX, quando começaram a andar de bicicleta, as mulheres usavam espartilhos e saias compridas. A ideia de abrirem as pernas e se sentarem no selim chocava as pessoas. Os homens achavam que não era apropriado”, conta Maria Filomena Mónica, historiadora e socióloga» («A idade não é obstáculo para elas aprenderem a pedalar», Joana Capucho, Diário de Notícias, 9.07.2012, p. 16).

      É uma política antidiscriminatória: não querem distinguir entre quem vai à frente e quem simplesmente vai. Ah, sim, e também ignoram a ortografia. Tencionava sugerir-lhes uma mnemónica, mas vou antes recomendar-lhes que tenham respeito aos leitores.

 

 [Texto 1790] 

Helder Guégués às 10:40 | ver comentários (1) | favorito
09
Jul 12

«As mesmas», «o mesmo»...

Evitem isso

 

 

      «Durante o período em que esteve com dores, José Gregório dos santos [sic] queixou-se das mesmas à enfermeira de serviço, que contactou o médico. António O. observou o doente e, de acordo com a acusação do DIAP de Lisboa, “determinou” que o mesmo “se deveria levantar para um cadeirão e ali repousar por momentos”. Neste momento, a 17 de março de 2009, o médico não determinou a realização de uma TAC» («Morte de doente em operação ao joelho vai a tribunal», Carlos Rodrigues Lima, Diário de Notícias, 9.07.2012, p. 18).

      «Das mesmas» — grande bordão da actualidade — faz tanta falta na frase como uma viola num enterro. E, como que a demonstrá-lo cabalmente, a sua eliminação muitas vezes nem sequer implica a reescrita da frase. Pensem nisso.

 

 [Texto 1789]

Helder Guégués às 08:23 | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:
08
Jul 12

«Hash/haxe»

Não precisamos disso

 

 

      Ele depois reconheceu, lá no cantinho da redacção, que tinha andado a fumar muito hash... Já estamos no ar?! Estou farto de ver assim escrito em todo o lado. Mas porque não escrever sempre «haxe»? Terá sido Álvaro Guerra, na década de 1970, o primeiro a usar numa obra sua o vocábulo «haxe»? Os historiadores da língua que o digam.

 

 [Texto 1788]

Helder Guégués às 15:05 | favorito
Etiquetas:

«Zona de guerra»

Rangeres de dentes

 

 

      «O mercado de operações de alto risco em cenários de conflito armado está a ser procurado por jovens que acabam contratos militares em forças especiais portuguesas. Exemplo disso é o facto de 20 ex-operacionais rangers, que tiveram formação no Centro de Tropas de Operações Especiais de Lamego, estarem, neste momento, a obter certificação para conseguirem trabalhar na área em que morrer faz parte do trabalho» («Ex-militares portugueses recrutados para zonas de guerra», Luís Fontes, Diário de Notícias, 8.07.2012, p. 20).

      Ora, muito nos surpreeende, porque os jornalistas gostam muito da expressão war theater, perdão, teatro de guerra. Mas levamos com os rangers.

 

 [Texto 1787] 

 

Helder Guégués às 12:43 | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «megaparóquia»

Continua tudo em grande

 

 

      Pronto, só cá faltava esta: «Falta de padres leva Igreja a apostar em ‘megaparóquias’» (Rita Carvalho, Diário de Notícias, 8.07.2012, p. 16). Por enquanto, ainda com as profilácticas aspas, a ver se pega.

 

 [Texto 1786]

Helder Guégués às 08:52 | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Ortografia: «maus tratos»

Alegadamente

 

 

      «O crime chocou a Suíça, tanto mais que Cidália Carvalho, de 31 anos, e a filha, de 13 anos, já não viviam com o agressor há vários meses e as autoridades locais até já tinham promovido três acusações por maus tratos contra José Luís Carvalho» («Portugal procura ‘Audi’ em que fugiu homicida», Paulo Julião, Diário de Notícias, 8.07.2012, p. 21).

      Lá se esqueceram do hífen em «maus tratos». Finalmente. Parabéns. Mas, Paulo Julião, você está tramado! Então também se esqueceu de antepor o adjetivo «alegado» a «homicida»? Arranje já um advogado, é o meu conselho.

 

 [Texto 1785]

Helder Guégués às 08:30 | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
08
Jul 12

Até prova em contrário

Realmente...

 

 

      Ainda pensei que estivesse, por lapso, noutra secção do jornal, mas não: «País». «Um decreto real, datado de 1864 e ainda em vigor, está a alarmar muitos proprietário [sic] de imóveis e terrenos nas margens dos rios portugueses. Caso se encontrem até 50 metros de [sic] limite costeiro, correm o risco de perder esse património» («Decreto real penaliza proprietários ribeirinhos», Alfredo Teixeira, Diário de Notícias, 8.07.2012, p. 21). Aqui, o adjectivo «real» tem um peso que não tem em Real Funerária, Real Colégio, Real Grupo de Forcados Amadores de Moura, entre outros. Mas continuemos a ler: «Até 2005, os proprietário [sic] podiam fazer prova por via administrativa. A partir daí, passou a ser feita por via judicial, onde [sic] a prova na grande maioria dos casos afigura-se [sic] impossível. Não foi assim com uma médica de Gaia que conseguiu provar, após vários meses de pesquisa nos arquivos distritais do Porto e na Torre do Tombo, que o imóvel que detinha estava construído sob propriedade privada.» Porquê «sob», que aparece outra vez mais à frente?

 

 [Texto 1784]

Helder Guégués às 08:03 | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas: