11
Out 12

«Entrevistar a testemunha»

Coisas dos amaricanos

 

 

      «A procuradora do caso, Maxine Rosenthal, foi a primeira a entrevistar a testemunha. Fez Vanda Pires recuar dois anos, até ao dia em que ouviu o nome Renato Seabra pela primeira vez. A 23 de outubro de 2010, pelo Facebook, Castro contava-lhe que ia aos EUA com “alguém muito especial” e “pedia segredo” da identidade do seu companheiro» («Últimos dias de Carlos Castro recordados no julgamento de Seabra», Alexandre Soares, Diário de Notícias, 11.10.2012, p. 19).

      Desde as Ordenações que as testemunhas eram inquiridas em tribunal — agora passaram a ser entrevistadas. Esperemos que seja apenas nos Estados Unidos da América.

 

[Texto 2195]

Helder Guégués às 22:39 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas:

«Sine data»

Para variar

 

 

      «A empreitada, orçada em 16 milhões de euros, visa permitir que circulem na Linha Verde comboios com seis carruagens, algo que, uma vez prolongado o cais, vai continuar a não ser possível. Isto porque, para que tal acontecesse, seria necessário que a estação de Arroios fosse também intervencionada – um investimento que foi adiado sine data. [...] É que, para que possam efetivamente circular na Linha Verde comboios de seis carruagens, também a estação de Arroios terá de ser intervencionada – uma empreitada que foi adiada sine data pelos conhecidos constrangimentos financeiros do Metropolitano de Lisboa, E. P. E., bem como da conjuntura económica do País» («Obras no Areeiro sofrem novo atraso e só vão acabar em 2014», Inês Banha, Diário de Notícias, 11.10.2012, p. 21).

      Quase nunca se vê esta locução latina — que significa o mesmo que sine die —, mas desta vez foi logo um par no mesmo texto. (A jornalista gostou tanto da locução, que quase repetiu a frase. Ninguém deu por nada.) Agora vejam lá é como a pronunciam.

 

[Texto 2194]

 

Helder Guégués às 22:23 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Como se escreve nos jornais

Desnecessário, afinal

 

 

      «A polaroid do atual momento do sector dos media foi debatida no painel dedicado aos publishers (editores), durante o eShow Lisboa, organizado pela ACEPI» («Quebra de publicidade obriga jornais e TV a repensar negócio», Ana Marcela, Diário de Notícias, 11.10.2012, p. 31).

      Há muitas outras formas de dizer o mesmo, mas, para ficarmos na área da fotografia, não seria melhor «instantâneo», por exemplo? Que alguns dicionários não registam nesta acepção. E, afinal, fica demonstrado que não precisava de ter usado o termo «publishers».

 

[Texto 2193]

Helder Guégués às 22:14 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas:

Toscana

Toscanejam

 

 

      «O estabelecimento [L’e’ Maiala!] de Donella Faggioli e do marido, Frank, encontrou uma nova forma de combater a crise: aceita vegetais e outros bens de consumo em troca de uma verdadeira refeição da Toscânia, a região de Itália onde fica Florença» («No L’e’ Maiala! trocam-se bens por refeições», Diário de Notícias, 11.10.2012, p. 9).

      Senhor jornalista, então em português não é Toscana que se diz? Ah, sim, também está no Vocabulário da Língua Portuguesa, de Rebelo Gonçalves, na página 1014.

 

[Texto 2192]

Helder Guégués às 10:35 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas:
11
Out 12

«Dengue», mais uma vez

Esqueçam isso

 

 

      «“O vírus tem quatro serotipos identificados. No caso da Madeira, revelou fortes semelhanças com o serotipo um que circula na Colômbia e na Venezuela. Todos os serotipos provocam febre do dengue, mas este aparentemente está associado a quadros mais benignos e ao surgimento de mais casos em menos tempo”, explicou ao DN Maria João Alves, responsável pelo Centro de Estudos de Vetores e Doenças Infecciosas do INSA» («Dengue na Madeira menos grave mas mais contagioso», Ana Maia, Diário de Notícias, 10.10.2012, p. 17).

      O tal «sábio» é que escrevia que só tinha encontrado o género feminino para a doença na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Já não seria pouco, mas não: Rebelo Gonçalves, na página 319 do seu Vocabulário da Língua Portuguesa, regista-o como feminino.

 

[Texto 2191]

Helder Guégués às 09:43 | comentar | favorito
Etiquetas: