26
Out 12

Tradução: «mangle room»

Clothes-pressing machine

 

 

      «She showed him the mangle room.» «Mostrou-lhe a seguir a casa de secar», verteu o tradutor. Ainda se fosse «casa de secar roupa», como já ouvi. Só «de secar», tanto pode ser roupa como cereais... Não, não. Mangle é a calandra para passar a roupa (ver aqui), não para a secar. «Casa de tratamento de roupa»? Demasiado grande, mas mais certeiro. «Área de lavagens»? A mesma imprecisão. «Lavandaria»? Talvez. Para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, «lavandaria» é a «divisão de uma casa, de um hotel, etc., onde a roupa é lavada e passada a ferro».

 

[Texto 2253]

Helder Guégués às 21:53 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Dicionários e gramáticas

Onde estão os dicionários

 

 

      «There’s nothing more untidy than a dictionary on a chair», diz aquela cabeça oca. (Oca? Mas já começou a planear a morte do marido.) Devia passar cá por casa, para ver onde estão os dicionários. E as gramáticas? Ainda ontem me chegaram, oferta do maior escritor português vivo, a Gramática Metódica da Língua Portuguesa, de Napoleão Mendes de Almeida, e outras duas.

 

[Texto 2252]

Helder Guégués às 17:16 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «valutário»

Isto soa-me

 

 

      Ia jurar, agora que acabei de a ler aqui num romance de Nabokov, que já alguma vez ouvi a palavra «valuta». De uma coisa tenho a certeza: em Direito das Obrigações estudam-se as obrigações valutárias, que são obrigações em moeda estrangeira. Como é que uma palavra assim pode estar ausente do Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora? Parece latim, mas é do italiano. Valuta: «Nel linguaggio bancario, riferito a biglietti e monete di altri stati (sottintendendo l’agg. estera)» (in Trecanni).

 

[Texto 2251]

Helder Guégués às 14:20 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

«Peacock cushions»

Pois é

 

 

      Aqui a nossa protagonista comprou «two peacock cushions», que o tradutor verteu por «duas almofadas com ocelos de pavão», o que jamais, apesar de conhecer a palavra, confesso, me ocorreria. Ocelo vem directamente do latim, língua em que é um diminutivo. Olhinho. Está bem, vê-se na cauda dos pavões um ocelo iridescente.

 

[Texto 2250]

Helder Guégués às 11:56 | comentar | favorito
Etiquetas:
26
Out 12

Tradução: «miscarriage»

Ganha a maioria?

 

 

      No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, podemos ler no verbete «desmancho» que é o termo popular para «aborto». Todos os abortos? No volume 2 da Biblioteca de Formação Popular (1968), leio: «O aborto pode ser espontâneo ou provocado; o espontâneo, que ocorre no início da gravidez, é denominado vulgarmente de “desmancho”» (p. 209). O Dicionário Houaiss em linha e a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, porém, afirmam (no caso desta, deduz-se) o contrário: desmancho é a interrupção voluntária da gravidez. Nos Estudos de Lexicologia do Português (Coimbra: Livraria Almedina, 1994, p. 55), Mário Vilela também afirma que «desmancho» é o aborto provocado. Que é a ideia que eu sempre tive. Cheguei aqui por causa da tradução do vocábulo inglês miscarriage, que o tradutor verteu por «desmancho», e, a avaliar pelo que vimos acima, mal, pois «when the interruption occurs spontaneously, it is clearer to refer to it as a miscarriage» (Maternal and Child Health Nursing: Care of the Childbearing and Childbearing Family, Adele Pillitteri. Filadélfia: Lippincott Williams & Wilkins, 2009, 6.ª ed., p. 555). Há-de haver, aposto, dicionários e outras obras que afirmarão que desmancho tanto designa o aborto espontâneo como o provocado.

 

[Texto 2249]

Helder Guégués às 11:18 | comentar | ver comentários (6) | favorito
Etiquetas: