10
Nov 12

Verbo «importar»

Têm importância — importam

 

 

      «Não importa aqui traços culturais como, etc.», escreve o nosso autor — mas mal. O verbo já não concorda com o sujeito? No sentido de «ter importância, ter interesse», como intransitivo, o verbo «importar» é frequentemente sujeito a este erro. Qual a dificuldade? Não está o núcleo do sujeito no plural? Então...

      «Muito zombeteiro estulto, muito praguento sem alma, há-de fechar o livro neste passo; mas como Vossa Majestade o leia, e há-de lê-lo, pouco importam aqueles desdéns» (O Outono, António Feliciano de Castilho. Lisboa: Imprensa Nacional, 1863, p. XIII [actualização ortográfica minha]).

 

[Texto 2308] 

Helder Guégués às 21:47 | comentar | ver comentários (6) | favorito
Etiquetas:

E o primeiro nome?

Maldita macaqueação

 

 

      Já o escrevi há anos no Assim Mesmo. Infelizmente, a tendência é para se usar cada vez mais. «Há, em seguida, uma pequena interrupção no deleite (que maçada, não?): “No domingo, Botella regressou a Espanha, para assistir ao velório de uma das jovens falecidas no Madrid Arena.”

      (Outro estrangeirismo cultural, este anglo-saxónico, que assassina a elegância e gentileza latinas: tratar uma senhora pelo apelido. Botella! Alguma mulher pode ser chamada de Botella? Garrafa, para mais? Em português, a minha língua, a língua de que me orgulho porque sabe ter tonalidades de ternura e de requinte, uma senhora nunca é só o seu apelido: é o seu nome – e depois o apelido. Malvada hora em que se escreveu Ferreira Leite sem antepor Manuela, Nogueira Pinto sem preceder de Maria José. Que eu saiba, só as enfermeiras é que trazem – ou traziam – a placa só com o apelido: “Enfermeira Marques, faça isto, se não se importa. Enfermeira Rodrigues, traga-me aquilo, por favor.” Sempre achei que era uma deselegância para com elas. Aqui garanto que jamais tratarei uma senhora – da mulher da praça à de um Presidente – por Senhora Dona Fonseca! Muito feliz ficaria se isto fizesse escola, por exemplo no Livro de Estilo do DN, que anda a ser elaborado a querosene, de tão lento que avança...)» («Tem de haver limites ao direito de o público escrutinar os políticos», Oscar Mascarenhas, Diário de Notícias, 10.11.2012, p. 47).

 

[Texto 2307] 

Helder Guégués às 09:27 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas:
10
Nov 12

Deixem-se de «detalhes»

Pois é

 

 

      «(Que pena esta ocupação francesista da nossa língua que nos obriga a ver “detalhes” onde mais bem ficam “pormenores”. Qualquer dia, ainda germanizamos a língua, de tão colonizados que nos resignamos! Achtung!, compatriotas!)» («Tem de haver limites ao direito de o público escrutinar os políticos», Oscar Mascarenhas, Diário de Notícias, 10.11.2012, p. 47).

 

[Texto 2306]

Helder Guégués às 09:23 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: