18
Dez 12

Aprender francês

Pelo preço de um jornal

 

 

      «O primeiro-ministro usou o termo “minable” (miserável, deplorável) para classificar a decisão de Depardieu. “Quem é o senhor para me julgar assim?”, responde o actor, lembrando que começou a trabalhar aos 14 anos e que toda a vida pagou os seus impostos» («Depardieu renuncia ao passaporte», Público, 17.12.2012, p. 39).

      O objectivo há-de ser que aprendamos francês, ou para comprovarmos como está bem traduzido. Pelo menos é francês e não inglês.

 

[Texto 2444]

Helder Guégués às 22:34 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Como se escreve nos jornais

Este é vicioso

 

 

      «Hélder Rodrigues encara de frente o título no Dakar», Nuno Sousa, Público, 18.12.2012, p. 42). Vê-se logo que é um título do Público, pois claro. É pleonasmo, a não ser que os títulos tenham a cara nas costas, para fazerem esgares trocistas àqueles que os perseguem e a que eles, lábeis, escapam.

 

[Texto 2443]

Helder Guégués às 14:59 | comentar | ver comentários (4) | favorito

Léxico: «radioastrónomo»

Podem registar este

 

 

      «O satélite norte-coreano lançado na semana passada está sem controlo e provavelmente deixou de funcionar, disse ao New York Times um astrónomo que segue a actividade espacial mundial. “Anda aos trambolhões e não lhe detectámos actividade”, disse ao jornal de Nova Iorque Jonathan McDowell, da Universidade de Harvard, explicando que os radioastrónomos procuraram seguir os seus sinais no espaço» («Satélite da Coreia do Norte estará avariado», Público, 18.12.2012, p. 23).

      Nunca os dicionários, pela sua própria natureza, estarão completos. Se quase todos acolhem o vocábulo «radioastronomia», quase nenhum regista «radioastrónomo». Lacuna que, de qualquer maneira, não se compreende.

 

[Texto 2442]

Helder Guégués às 14:42 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
18
Dez 12

«Híperes»

Finalmente

 

 

      «Portugueses estão a comprar menos, híperes apostam nas promoções» (Joana Capucho, Diário de Notícias, 16.12.2012, p. 25).

      Finalmente, lá chegaram à compreensão de que é desta forma que se grafa a forma reduzida de «hipermercado». Que já está em alguns dicionários, como no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. O problema é que, daqui a dois ou três dias, outro jornalista qualquer grafará de outra forma, errada.

 

[Texto 2441]

 

Helder Guégués às 10:44 | comentar | favorito
Etiquetas: