23
Dez 12

«Bacalhau de cura amarela»

Não só os queijos

 

 

      «A qualidade paga-se e bem. O bacalhau amarelo é o mais caro de todos, pode custar 30 euros o quilo» (jornalista Sandra Vindeirinho, no Telejornal de ontem). Bacalhau de cura amarela, é como se costuma dizer. No verbete «cura», o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora só regista a acepção relativa aos queijos: «processo de maturação dos queijos que lhes apura o sabor e os torna mais consistentes». Não devia registar algo semelhante em relação ao bacalhau? O bacalhau de cura amarela (por ser mais gordo?) é menos salgado do que os outros, tem um teor de sal igual ou inferior a 45 % e a cura é obtida pela exposição ao sol.

 

[Texto 2456]

Helder Guégués às 08:07 | comentar | favorito
Etiquetas:
23
Dez 12

Infeliz verbo «haver»

Área crítica

 

 

      Pobre verbo «haver», pobres jornalistas. «A Chapelaria Azevedo Rua está há 126 na família. Chapéus continuam a haver muitos. E há cerca de trinta anos atrás já se faziam as contas» (jornalista Filipa Simas, no Telejornal de ontem).

 

[Texto 2455]

Helder Guégués às 07:27 | comentar | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas: