02
Dez 12

Léxico: «psiquiatrizar»

Tudo se pode dizer

 

 

      «O psiquiatra Pio Abreu não gosta de “psiquiatrizar” as questões, muito menos quando não conhece os contornos deste caso. Ainda assim – e caso este crime tenha motivações económicas – diz que a fraca tolerância às dificuldades financeiras não é um problema de saúde mental» («Matar é o limite e quem ultrapassa é psicopata», P. C., Diário de Notícias, 2.12.2012, p. 19).

 

[Texto 2391]

Helder Guégués às 09:59 | comentar | favorito
Etiquetas:

Léxico: «cocacolizado»

Não conhecia

 

 

      «Uma das fotos mostra vários homens de Coca-Cola na mão, em jeito de celebração coletiva do povo, cujos hábitos alimentares se foram alterando com a chegada da fast food. Nas zonas onde abundam as cadeias americanas, explica Inês, as crianças estão a ficar obesas, com diabetes e “problemas associados à forma como a biologia reage à vacinação, escola, e todo o estilo de vida”. “Estão cocacolizados. Nas prisões, joga-se um jogo maia em que o prémio é uma Coca-Cola”, diz, enquanto aponta para a fotografia» («Preparados para o fim do mundo? Só se for em Hollywood», André Rito, Diário de Notícias, 2.12.2012, p. 23).

 

[Texto 2390]

Helder Guégués às 09:56 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «virtualizar»

Já o conjugam

 

 

      «Este responsável [padre Carlos Gonçalves] do Patriarcado admite que “há nestas coisas das redes sociais e das plataformas da Internet o risco de virtualizar a realidade”. Não perdendo de vista esta premissa, o padre Carlos Gonçalves frisa que é importante “experimentar esta possibilidade de passar a mensagem de forma mais rápida”» («A evangelização faz-se com apenas 140 caracteres», Helder Robalo, Diário de Notícias, 2.12.2012, p. 18).

      Um dia destes, vão ver, vai estar — tem de estar, creio — em todos os dicionários, como já está em alguns.

 

[Texto 2389]

Helder Guégués às 09:54 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
02
Dez 12

O autor das minúsculas

Isto vai mudar

 

 

      «E há gente que tem preconceitos, como também há gente que nunca pegou num livro meu porque eu escrevi em minúsculas! Houve gente que me escreveu a dizer “adorei a sua entrevista, mas nunca hei de lê-lo enquanto escrever em minúsculas. Nunca vou ler um livro seu, mas gostei de o ouvir falar”» («“Seria ingénuo pensar que alguém do Governo pudesse salvar-nos”», Valter Hugo Mãe em entrevista a João Céu e Silva, Diário de Notícias, 2.12.2012, p. 7).

      Ele há gente para tudo, isso sim. Vejam bem, não perdoar ao génio esta peculiaridade. Mas não vale a pena chorar. Até porque isto vai mudar, pois os jornais já estão autorizados a escreverem-lhe o nome com maiúsculas.

 

[Texto 2388]

Helder Guégués às 09:49 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
01
Dez 12

Pontuação

Quid juris?

 

 

      O autor escreveu destarte: «Significa isto que estamos condenados ao pessimismo?» Ao que logo, poupando-nos trabalhos, respondeu: «Não necessariamente.» Veio alguém e acrescentou uma vírgula: «Não, necessariamente.» Que não era isso que pretendia dizer, afirmou o autor. Mas depois dos advérbios não e sim, se estiverem em princípio de oração e se se referirem a uma oração anterior, costuma pôr-se vírgula, defendeu-se o revisor.

 

[Texto 2387]

Helder Guégués às 20:28 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas:
01
Dez 12

«Júri/jurado»

Digam-lhe

 

 

      Quase toda a gente já sabe a diferença entre «júri» e «jurado». Entre os que não sabem, para nosso infortúnio, estão muitos jornalistas. «No rosto de Seabra nada se passou. Odília Pereirinha, no banco onde se senta há mais de dois meses para assistir ao julgamento do filho, apenas baixou a cabeça por instantes. Quando cada um dos júris confirmou o veredicto – culpado, culpado, culpado... –, mãe e filho permaneceram impávidos» («Jurados rejeitam insanidade e condenam Renato Seabra», Alexandre Soares, Diário de Notícias, 1.12.2012, p. 19).

 

[Texto 2386]

Helder Guégués às 10:54 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: