05
Mar 13

Léxico: «popia»

Recomendo

 

 

      Hoje comi um bocado de uma popia de espécie. Sabem o que é? Não? Deixem lá, os dicionários também não. São uns bolos secos, em forma de argola, típicos do Alentejo. «Espécie», aqui, está por «especiaria» (é a 6.ª acepção do verbete do Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora). Não é, contudo, inteiramente desconhecido dos livros: «Querem popias? São frescas, comprei-as esta manhã a uma mulherzinha» (Adeus, Princesa, Clara Pinto Correia. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 1986, p. 98).

 

[Texto 2655]

Helder Guégués às 20:11 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Como se traduz

Depende dos dias

 

 

      «Por mais que o comerciante jurasse que a faca lhe desaparecera alguns dias antes, não pôde prová-lo; foi suspeitado, interrogado, guardado à vista; e, se não o prenderam imediatamente, foi porque o cadáver parecia ter sido arrastado e colocado diante da sua casa, como se se tratasse de uma vingança» (Silbermann, Jacques de Lacretelle. Tradução de Ersílio Cardoso. Lisboa: Edição Livros do Brasil, «Colecção Miniatura», s/d, p. 178).

      Não podemos trazer para aqui apenas bons exemplos — com os maus exemplos também se aprende. No caso, dois erros crassíssimos: suspeita-se de alguém ou de algo, não se suspeita alguém ou algo. E também não guardamos ninguém à vista. Garder qqn à vue é, segundo o Trèsor, «retenir quelqu’un pendant un court délai à la disposition de la police ou d’un tribunal».

 

[Texto 2654]

Helder Guégués às 20:09 | comentar | ver comentários (13) | favorito
Etiquetas:
05
Mar 13

«Revogação/revocação»

Como um íman

 

 

      «Ah! Estes sentimentos insensatos provocaram a minha indignação. Comparei-os aos que haviam preparado outrora a revocação do édito de Nantes e feito perder à França — quantas vezes o ouvira! — os mais dignos e os mais trabalhadores dos seus habitantes» (Silbermann, Jacques de Lacretelle. Tradução de Ersílio Cardoso. Lisboa: Edição Livros do Brasil, «Colecção Miniatura», s/d, p. 75).

      Isto também não é raro nas traduções: entre dois ou mais vocábulos, escolher-se o que está mais próximo da língua de partida (révocation) e mais afastado da língua de chegada. Quem é que aí diz «revocação» em vez de «revogação»?

 

[Texto 2653]

Helder Guégués às 08:48 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: