17
Mar 13

Léxico: «lanceta»

Se estiver certo, falta

 

 

      «Junta-se a Jaime Gama e os dois olhares clínicos dão o alerta: faltam duas lancetas, “a dos pulmões e a do reboque”. Russell nem queria acreditar. Com o primeiro [sic] furavam os pulmões, para depois se encherem de água e o cachalote flutuar. O do reboque servia para enganchar no magnífico cadáver flutuante, depois puxado até à costa pelos ínfimos barcos — explica o ex-MNE» («Mestre do Pico constrói bote baleeiro em New Bedford», Marina Almeida, Diário de Notícias, 17.03.2013, p. 25).

      Se está correcto, não consta dos dicionários, que registam, isso sim, uma acepção com alguma relação: pequeno cutelo pontiagudo usado nos matadouros para abater reses.

 

[Texto 2684]

Helder Guégués às 20:48 | comentar | favorito
Etiquetas:

Léxico: «rasta»

E mais esta

 

 

      «O principal suspeito é corpulento e usa rastas e ontem ainda não tinha sido capturado, segundo o DN apurou junto de fontes policiais» («Segurança reforçada após tiroteio à porta do restaurante», Luís Fontes, Diário de Notícias, 17.03.2013, p. 18).

      Ora, se o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista «rastafári», «rastafarianismo» e «rastafariano», não sei porque não há-de acolher também esta.

 

[Texto 2683]

Helder Guégués às 19:31 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «nosocomial»

Manicómios e nosocómios

 

 

     «No relatório Saúde em Números, publicado em Janeiro deste ano pela DGS, há um capítulo dedicado às infecções nosocomiais da corrente sanguínea (INCS) nos hospitais portugueses onde se conclui que a prevalência aumentou de 3,2% em 1988 para 5,9% em 2010» («Governo vai dar prioridade ao controlo das infecções», Andrea Cunha Freitas, Público, 17.03.2013, p. 9).

      Quanto mais diversidade lexical, melhor, pelo menos desde que não sejam invencionices. Esta veio do grego, através do latim. Nosocomial: relativo a hospital ou às doenças que aí tratam».

 

[Texto 2682]

Helder Guégués às 16:31 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
17
Mar 13

Tradução: «gap year»

E fazem eles bem

 

 

      «Dois anos depois de um empresário [Carlos Torres] ter desafiado dois jovens a interromperem os estudos e a viajarem pelo mundo, “para crescerem”, a discussão sobre as vantagens de uma pausa na actividade académica chega à Assembleia da República. Os ingleses, que há décadas criaram o conceito e a prática, chamam-lhe gap year. Os deputados do PS traduzem para “ano sabático” e pedem o apoio do Governo para o promover entre os alunos do ensino secundário» («Depois do 12.º ano, uma pausa para viajar», Graça Barbosa Ribeiro, Público, 17.03.2013, p. 10).

 

[Texto 2681]

Helder Guégués às 16:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: