25
Mai 13

«Promotor público»?

Enganou-se, pois então

 

 

      «Na década de 30, o promotor público de Nova Iorque, Thomas Dewey, bem tentou passar a certidão de óbito da Máfia. Enganou-se» («Louis Ferrante. Palavra de honra que se aprende com a Máfia», Maria Ramos Silva, «Liv»/i, 25.05.2013, p. 9). Ora escrevem «promotor público», ora «promotor de justiça», como vimos aqui, tudo menos o correcto. Mesmo que seja apenas uma moda, vai deixar marcas.

 

[Texto 2886]

Helder Guégués às 23:36 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

«Quando mais não seja»

Macaqueando e ensinando

 

 

      «Matéria relevante — parece-me — para ser noticiada, quanto mais não seja porque o exemplo de alguém tão conhecido é importante e formativo» («Isaltino e Angelina», Rui Patrício, i, 25.05.2013, p. 14).

      É mais ou menos isso, Sr. Dr. E trago-a aqui porque é matéria relevante — parece-me — para ser tratada, quando mais não seja porque o exemplo de alguém tão conhecido é importante e formativo.

 

[Texto 2885]

Helder Guégués às 23:26 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Como se fala

Excessivo

 

 

      «Miguel Sousa Tavares já veio admitir ter sido “excessivo”. “É muito simples, eu não tenho nenhuma consideração política pelo professor Cavaco Silva, conforme é público, mas tenho pelo chefe de Estado, seja ele quem for e nesse sentido reconheço que não devia ter dito aquilo”, afirmou à Lusa, qualificando as suas palavras como um “deslize”. “Obviamente que lhe chamei palhaço no sentido político”, ressalvou ao “Expresso”» («Código Penal. “Palhaço”, mas só em sentido político. Será insulto?», Susete Francisco, i, 25.05.2013, p. 32). «Palhaço» em sentido político? E se eu — ou, para ser mais realista, Miguel Sousa Tavares — chamar palhaço a um vizinho, é o quê, em sentido vicinal?

 

[Texto 2884]

Helder Guégués às 23:12 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

«Jubilação/aposentação»

En archē ēn ho logos

 

 

      Isso mesmo, no princípio era o Verbo. «Eticamente é lamentável o que se está a passar. Mas não comento decisões judiciais nem tão pouco [sic] os acórdãos do Tribunal Constitucional. Optei por me jubilar, embora as condições sejam mais restritivas do que as proporcionadas pela aposentação. Mas mantenho as mesmas regalias do que se estivesse no activo», disse o ex-procurador-geral da República Pinto Monteiro («O que estes pensionistas dizem do corte nas reformas», i, 25.05.2013, p. 25).

      Para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, «jubilar-se» é «obter a jubilação; aposentar-se». Primeiro problema. Segundo problema: no verbete «jubilação», lê-se: «(ensino superior) aposentação honrosa, por limite de idade». Isto está a precisar de uma revisão.

 

[Texto 2883]

Helder Guégués às 22:49 | comentar | ver comentários (5) | favorito
Etiquetas:
25
Mai 13

Sobre «marxista»

Incompleto ou errado

 

 

      O original, italiano, fala «dell’idea marxiana di società senza classi», e o tradutor deixou «marxiana», que nós não usamos, porque há-de ter consultado um dicionário, talvez o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, que para «marxista» regista que é o «relativo ao marxismo». Ora, não é apenas isso, é o relativo a Karl Marx, à sua obra ou ao marxismo. Em italiano, há especialização de sentidos, pois «marxista» diz respeito apenas ao marxismo e às ideias de Karl Marx.

      Todas as obras são susceptíveis de aperfeiçoamento, de melhoramento, e os dicionários mais do que todas.

 

[Texto 2882]

Helder Guégués às 10:28 | comentar | ver comentários (7) | favorito
Etiquetas: