08
Jun 13

Léxico: «belígero»

Camoniano

 

 

      «Para os amigos que frequentam Santa Olávia, Eusébio revela uma educação esmerada que o prepara para fazer boa figura em Coimbra: tem horror às brincadeiras belígeras de Carlos [da Maia] e passa os dias a decorar versos, preso às saias da titi» («A cartilha e o trapézio», Joana Meirim, Público, 8.06.2013, p. 50).

      Belígero, gosto. O elemento sufixal latino («sufixial», lê-se na 50.ª edição do Prontuário Ortográfico e Guia da Língua Portuguesa, de Magnus Bergström e Neves Reis) –gero significa que leva, que produz. É latinismo que se pode ver nos Lusíadas: «Destarte o Mouro atónito e torvado,/Toma sem tento as armas mui depressa;/Não foge; mas espera confiado,/E o ginete belígero arremesa.» E estão ali a ver «Mouro»? É uma sinédoque, isto é, está o singular pelo plural, e por isso conserva a maiúscula inicial.

 

[Texto 2944]

Helder Guégués às 15:13 | comentar | favorito
Etiquetas:

Sobre «humanitário»

Confusão

 

 

      «Até ao fim de 2013, estima-se que dez milhões de pessoas, metade da população da Síria, dependam da assistência humanitária para sobreviver» («ONU denuncia a pior crise humanitária do mundo na Síria», Rita Siza, Público, 8.06.2013, p. 25).

      Ou seja, para a maioria dos jornalistas, «humanitário» significa uma coisa e o contrário dela. Sim, há vocábulos assim na língua portuguesa, mas não é o caso deste.

 

[Texto 2943]

Helder Guégués às 15:10 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «espiche»

Do emigrês?

 

 

      «Ora, quando vejo tanta gente respeitável (Daniel Oliveira no Expresso, Nuno Saraiva no DN, Rui Tavares no PÚBLICO) embriagada pelos discursos enevoados de Sampaio da Nóvoa, achando que no meio daquele espiche se esconde uma qualquer luz trémula capaz de nos indicar o caminho para fora da austeridade, começo a ficar seriamente preocupado» («Enevoados», João Miguel Tavares, Público, 4.06.2013, p. 44).

      Tem graça, então não tem. Espiche significa discurso, fala, elogio, e vem, é claro, do inglês speech, talvez adaptado por um açoriano emigrante nos Estados Unidos da América.

 

[Texto 2942]

Helder Guégués às 15:08 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas:

Sem tradução, hein?

Em que se fala de focas

 

 

      «Uma das testemunhas é um navy seal que participou no raide em que Bin Laden foi morto e que deverá falar do material apreendido no complexo onde o líder da Al-Qaeda se escondia» («EUA pedem pena máxima para Bradley Manning, por ‘ajudar inimigo’», Kathleen Gomes, Público, 4.06.2013, p. 22).

      Não se podia escrever, sei lá, «membro de uma força especial da Marinha», por exemplo? A não ser assim, e sem qualquer explicação, o leitor menos sabedor de inglês fica a ver navios, ou navios e focas.

 

[Texto 2941]

Helder Guégués às 15:05 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Como se escreve nos jornais

Então agora os plurais são assim?

 

 

      «As eleições, que marcam o fim dos mandatos de Ahmadinejad, vão consolidar o poder dos ayatollah e do líder supremo, Khamenei» («Funeral de clérigo torna-se na maior manifestação antigoverno em anos», Ana Gomes Ferreira, Público, 6.06.2013, p. 23).

      Até no Portal da Língua Portuguesa, sim, não é engano, se pode ver que o plural de ayatollah é ayatollahs. E em inglês, língua que dominam, também é ayatollahs. Não percebo.

 

 [Texto 2940]

Helder Guégués às 15:03 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:
08
Jun 13

«Auto-designar-se»!

Letras a mais

 

 

      «Pelos vistos, um certo grupo que se auto-designou como porta-voz do movimento de Taksim identificou sete condições» («As sete condições para abandonar Taksim. Ou serão oito?», Paulo Moura, Público, 8.06.2013, p. 26).

      Ainda que tudo o mais estivesse certo, aquele hífen está errado. Vamos aprimorar isto e, de caminho, poupamos treze caracteres: «Pelos vistos, certo grupo que se designou porta-voz do movimento de Taksim identificou sete condições.» Ou mesmo quinze: «Pelo visto, certo grupo que se designou porta-voz do movimento de Taksim identificou sete condições.» (A consultora Teresa Álvares, no Ciberdúvidas, vê a questão de uma perspectiva redutora: «Não é que “pelo visto” esteja errado do ponto de vista gramatical, mas a forma correntemente usada, e a única que encontrei dicionarizada, é pelos vistos.») Indo mais a fundo, até tenho dúvidas se a expressão «pelos vistos» se adequa no contexto.

 

[Texto 2939] 

Helder Guégués às 15:01 | comentar | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas: