29
Jun 13

«Corretor/corrector»

Confusão total

 

 

      Está consumada a confusão total: «De acordo com a polícia, monsenhor Scarano foi o cérebro do plano com a ajuda de um corrector, Giovanni Carenzio, e de um agente dos serviços secretos, Giovanni Maria Zito, que foi suspenso há três meses da AISI, os serviços secretos domésticos italianos. A operação falhou porque Carenzio, o corrector, renegou o acordo, segundo os advogados» («Vaticano. O Monsenhor, o banqueiro e o espião presos por lavagem de dinheiro», Sérgio Soares, i, 29.06.2013, p. 32).

      A imprensa em língua inglesa afirma que Giovanni Carenzio é broker ou financier. Será corretor, financeiro.

 

[Texto 3031]

Helder Guégués às 23:46 | comentar | favorito
Etiquetas:

Tradução: «hype»

O meu euro

 

 

     «Bird [director do Media Monitoring Africa] acrescentou que “o hype” em torno de Mandela não permite comparações com Thatcher, “a comparação é entre Mandela e a princesa Diana, e nesse caso houve a cobertura foi frenética [sic]. Naquela altura viram-se rumores semelhantes, não sobre a saúde de Diana mas sobre a forma como ela morreu”» («Obama dispensa “momento fotográfico” com Nelson Mandela», Diogo Vaz Pinto, i, 29.06.2013, p. 34).

      Para Diogo Vaz Pinto, está visto, o termo inglês «hype» é intraduzível. Inadmissível, é o que é. Tem de ser o leitor a completar o trabalho.

 

[Texto 3030]

Helder Guégués às 23:35 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
29
Jun 13

Ortografia: «ioiô»

Pois enganam-se

 

 

      «Wimbledon. Um iô-iô chamado Michelle Brito» (Cátia Bruno, i, 29.06.2013, p. 51). Porque ora estava a ganhar, ora a perder. (Descrição numa legenda de uma fotografia da tenista: «irregularidade exibicional».) Pois é, mas é ioiô que se escreve. Em inglês é que se escreve com hífen, yo-yo. É muito raro ver a palavra bem escrita, talvez porque ninguém tem tempo para consultar um dicionário.

 

[Texto 3029]

Helder Guégués às 22:48 | comentar | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas:
28
Jun 13
28
Jun 13

Não na definição

Dormir em sofás alheios

 

 

      «Um homem, residente em Lisboa, terá aproveitado o couch surfing, moda que se baseia em disponibilizar a própria casa como alojamento a viajantes estrangeiros, para atrair e violar uma turista» («Turista de couch surfing violada em Lisboa», Pedro Sales Dias, Público, 28.06.2013, p. 8).

      «Moda», a meu ver, está ali a mais. Pode estar na moda, mas isso não interessa para a definição. «Staying the night at the home of another person, especially a stranger, for free», lê-se no MacMillan.

 

[Texto 3028]

Helder Guégués às 09:20 | comentar | favorito
Etiquetas:
27
Jun 13

Não falta «pró-actividade»?

Falta ou não falta?

 

 

      No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, encontram-se registados os vocábulos, agora tão encontradiços, pró-activo e proactivo, mas somente proactividade. É também a solução da Academia Brasileira de Letras no seu Vocabulário. «Pró-activo», lê-se naquele primeiro dicionário, significa «o que é a favor da actividade». Já «proactivo» é o «que antecipa algo; antecipatório; que toma a iniciativa, não actuando apenas em reacção a algo; empreendedor». Se não são sinónimos — só com muito boa vontade nossa diremos que o são, mas apenas parcialmente —, mais estranha é a opção de não se ter acolhido também a forma «pró-actividade». Ou não?

 [Texto 3027]

 

Helder Guégués às 15:40 | comentar | ver comentários (7) | favorito
Etiquetas:
27
Jun 13

Léxico: «haloterapia»

Fora dos dicionários

 

 

      «As partículas de sal estão por toda a parte, desde o chão às paredes, sal ionizado permite que várias pessoas estejam a recorrer à haloterapia em Castelo Branco por sofrerem de doenças respiratórias, stress ou depressão. Um projecto pioneiro no interior do País» («Centro de haloterapia em Castelo Branco», Sandra Salvado, Jornal da Tarde, 26.06.2013).

 

 [Texto 3026]

Helder Guégués às 09:53 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
26
Jun 13
26
Jun 13

Léxico: «pareiassauro»

Também falta esta

 

 

      «A equipa de Linda Tsuji demonstra que este pareiassauro, aquele que tem os maiores altos na cabeça, tem muitas características primitivas, mais próximas dos seus antepassados mais antigos» («O réptil com ‘borbulhas’ que vivia isolado no deserto», Pedro Vilela Marques, Diário de Notícias, 26.06.2013, p. 30).

      Não o vejo nos dicionários. Em nenhum, nem sequer no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

 [Texto 3025]

Helder Guégués às 18:29 | comentar | ver comentários (6) | favorito
Etiquetas: