31
Jul 13

Léxico: «recoleta»

Outra ignorada

 

 

      «Explicitamente sobre Ovar, Júlio Dinis escreveu apenas O Canto da Sereia, sobre o Furadouro, falando dos palheiros e das recoletas onde dormiam as famílias dos pescadores» («Os serões na província foram à beira-mar. Júlio Dinis», Raquel Ribeiro, Público, 31.07.2013, p. 29).

      Também aqui os dicionários falham. O Aulete, porém, regista que recoleta é um termo recolhido em Aveiro e é o «barracão, para vivenda, com uma só vertente de telhado». Palheiros há muitos. As recoletas são palheiros térreos e muito pobres.

 

  [Texto 3125]

Helder Guégués às 08:56 | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Como se traduz na televisão

Dragado, calado...

 

 

      O presidente do Panamá, Ricardo Martinelli, está em Portugal em visita oficial, vi no Jornal da Tarde de ontem. As legendas da sua declaração à imprensa diziam isto: «A visita visa aprofundar as relações comerciais entre os dois países e é por isso importante que o porto de Sines, em Portugal, tenha relações com os portos panamianos, assim que o Canal do Panamá for expandido. Portugal será uma das economias que mais beneficiará pelo acesso direto aos portos com calado suficiente para receber os barcos pós-alargamento, e ser assim um porto de entrada para uma grande quantidade de produtos oriundos do Oriente e da América e destinados ao mercado europeu.» «Portos com calado suficiente»? Alguém devia estar calado, isso sim. O que Ricardo Martinelli disse foi que «Portugal va ser una de las economías que más se va a beneficiar por el acceso directo que tienen sus puertos, la capacidad de tener un dragado suficiente para acomodar los barcos post-panamax [com capacidade para 12 000 a 16 00 contentores]». Calado é a distância vertical entre a parte inferior da quilha e a linha de flutuação de uma embarcação.

 

  [Texto 3124] 

Helder Guégués às 08:01 | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
31
Jul 13

Léxico: «surdolímpico»

Mesmo desde 2000...

 

 

      O lutador Hugo Passos, acabei de ver na televisão, conquistou o ouro nos Jogos Surdolímpicos. É o quarto título consecutivo do português na luta greco-romana, na categoria menos 66 quilos. Quanto à categoria, eu só podia competir na de menos 78 quilos, e surdo sou também eu: então estes jogos tiveram a primeira edição em Paris em 1924 e eu nunca tinha ouvido a palavra? Ah, está aqui uma parte da explicação: «A partir de 2000, os jogos passaram a ser conhecidos pelo seu nome actual “Deaflympics” ou Surdolímpicos, denominação oficial Portuguesa [sic], muitas vezes  erroneamente apelidados de “Olimpíadas dos Surdos”.»

 

  [Texto 3123]

Helder Guégués às 00:30 | favorito
Etiquetas:
30
Jul 13

Sobre «senador», de novo

Com frequência

 

 

      «Ouvir o novo ministro [Rui Machete] classificar as perguntas mais do que legítimas que lhe eram feitas sobre o BPN — perguntas banalíssimas em qualquer país que conheça o significado do verbo “escrutinar” — como uma manifestação da “podridão dos hábitos políticos”, é daquelas atitudes que só mesmo um velho senador do Bloco Central dos interesses, a quem a democracia por vezes enfada, se lembraria de ter» («Machete kills», João Miguel Tavares, Público, 30.07.2013, p. 48).

      Com aspas ou sem aspas, a verdade é que se vai consolidando, de dia para dia, este sentido figurado do vocábulo «senador». Está capaz de ir para os dicionários.

 

  [Texto 3122]

Helder Guégués às 20:46 | favorito
Etiquetas:
30
Jul 13

Léxico: «rebém»

Bem e rebém

 

      Não me ficou muito no ouvido, mas retive de um anúncio qualquer coisa como «para que não sejas rebém, mas rebelde». Retive apenas, é claro, o que fugia ao trivial, rebém. Foi acolhido por Morais e por Houaiss (como advérbio: duas vezes bem; muito mais, bem mais), mas não, por exemplo, pelo moderno Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, em que figura somente como substantivo, o açoite com que se castigavam os forçados. No caso do anúncio, o prefixo juntou-se ao adjectivo bem no sentido de socialmente irrepreensível ou de classe social elevada. É pena que, em vez de enriquecidos, os dicionários sejam despojados destes vocábulos e acepções.

 

  [Texto 3121]

Helder Guégués às 11:26 | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: