13
Jul 13

Proficientíssimos tradutores

Muito me contam

 

 

      Nicolás Maduro, que acaba de assumir a presidência pro tempore (tomai lá latim) do Mercosul, recordou, vi no Bom Dia Portugal de hoje, que este caso (o de Snowden) de espionagem mundial «ha sacudido la conciencia pública de los EE.UU., del mundo entero y que plantea temas claves de la ética política del mundo que queremos construir». Na RTP, acharam que plantear se podia traduzir perfeitamente por «minar»: «e mina temas cruciais da ética política». Quem traduziu? Só pode ter sido um factótum, como esses seguranças que vemos nos serviços da Segurança Social, por exemplo.

 

 [Texto 3082]

Helder Guégués às 21:48 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Nuremberga? Então Bamberga

Já agora, se não se importa

 

 

      «Na Francónia (região da Baviera de que fazem parte Nuremberga, Bayreuth e Bamberg) é normal encontrar pouca informação noutra língua que não seja o alemão» («Nuremberga, uma cidade a contas com o passado», Patrícia Carvalho, «Fugas»/Público, 13.07.2013, p. 7).

      Francónia Central (Mittelfranken, em alemão), melhor. E porque não escreveu a jornalista Bamberga, se escreveu Nuremberga? Não se percebe. Bamberga já no Vocabulário de Bluteau aparece registado.

      «Dessa mesma época ou nela principiadas, são, entre muitas outras, a catedral de Bamberga, que guarda uma estátua equestre de excelsa execução, embora influenciada pela escultura de Reims; a de Friburgo em Brisgóia, de frontaria copiosamente ornada com figuras de expressão germânica» (Obras de Ferreira de Castro, vol. 4. Porto: Lello & Irmão, 1979, p. 702).

 

[Texto 3081]

Helder Guégués às 13:57 | comentar | favorito
Etiquetas:

«Bebidas largas»?

Pôr: RIP

 

 

      «Como para a próxima terá de ficar também a experiência de colocar os pés na areia da praia artifical da cidade. Não tem espaço suficiente para se deitar ao sol, mas, durante oito semanas, pode sentar-se nos cadeirões e deixar que lhe sirvam bebidas largas. Procure-a junto ao rio» («Nuremberga, uma cidade a contas com o passado», Patrícia Carvalho, «Fugas»/Público, 13.07.2013, p. 5).

 

 [Texto 3080]

Helder Guégués às 13:55 | comentar | ver comentários (10) | favorito
Etiquetas:

Ortografia: «preto-e-branco»

E vê-se bem

 

 

      «Fotografias a preto e branco do tempo do centro histórico do pós-guerra mostram que da enorme estrutura [da Igreja de São Lourenço] apenas sobreviveu a fachada gótica com as suas duas torres» («Nuremberga, uma cidade a contas com o passado», Patrícia Carvalho, «Fugas»/Público, 13.07.2013, p. 5).

      No entanto, seja filme ou fotografia, a combinação do preto e do branco grafamo-la preto-e-branco.

 

 [Texto 3079]


Helder Guégués às 13:42 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:
13
Jul 13

«Haveria de»

Mais avarias

 

 

      «No pós-guerra chegou a considerar-se a hipótese de não reconstruir a cidade, deixando-a como uma memória do horror da guerra. Nuremberga, contudo, haveria de ser reconstruída, embora se tenha optado por reabilitar apenas os edifícios mais emblemáticos» («Nuremberga, uma cidade a contas com o passado», Patrícia Carvalho, «Fugas»/Público, 13.07.2013, p. 5).

 

 [Texto 3078]

Helder Guégués às 13:41 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: