«Linha», uma acepção

Não há outro termo?

 

 

      «Numa das linhas de vinha, Armando e Palmira, um casal de emigrantes reformados, apanha uvas ao mesmo ritmo que as vai petiscando. [...] Nas 80 linhas de vinha o cheiro é o do campo, mas os sons os [sic] da cidade — para além do contínuo zumbido dos sistemas de rega automática que estarão algures, noutra zona da Tapada, ouvem-se buzinas, sirenes, o trânsito da Ajuda» («O senhor vindimou?», Catarina Moura, «Fugas»/Público, 7.09.2013,  p. 18).

 

  [Texto 3279]

Helder Guégués às 18:35 | comentar | ver comentários (6) | favorito
Etiquetas: