14
Set 13

Cada macaco

Esse seria o mundo perfeito

 

 

      O ideal, em todas as circunstâncias da vida («da puta da vida», como disse A. B., que morreu milionário antes do 50), seria as pessoas só falarem do que percebem. Quanto ao resto, impunha-se um voto perpétuo de silêncio — ou até adquirirem as respectivas competências. É o caso: «A equipa decidiu utilizar a grafia pré-acordo ortográfico em todo o livro. Se não estou em erro, isso significa que sub-populações, socio-económicas, etc., têm hífen. Deixámos todas as ocorrências com a sugestão de alteração (não aceitámos nem recusámos). Pensamos que o mais importante é existir coerência.»

 

  [Texto 3294]

Helder Guégués às 18:34 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Tradução: «gogol»

Nada simples

 

 

      Lembrei-me agora, a propósito de Asperger, de uma dificuldade numa tradução recente. No original, francês, lia-se que alguém era «gogol», corruptela de mongolien, «mongolóide», e termo ofensivo. Apesar de tudo o que se diz — e já uma vez escrevi no Assim Mesmo sobre esta questão —, «mongolóide» não é um termo ofensivo. (Não vou é explicar de novo, porque tenho mais que fazer.) Era preciso encontrar um termo equivalente em português — ofensivo, preferencialmente também corruptela. Acham que existe? Qual acham que foi a solução encontrada?

 

  [Texto 3293]

Helder Guégués às 18:03 | comentar | ver comentários (3) | favorito
Etiquetas:

«Transportista»?

Boa pergunta

 

 

      Podia ser uma pergunta para aqueles concursos para gente muito inteligente: como se chama o dono de uma empresa de transportes — transformista; transportador ou transportista? Um leitor acaba de me mandar uma mensagem: «Meu caro Helder: A revista Ler de Setembro inclui uma pré-publicação do novo romance de Mario Vargas Llosa. Os tradutores chamam “transportista” a uma das personagens, dono de uma empresa de transportes. Acha que isto faz algum sentido?» O original diz que Felícito Yanaqué é «dueño de la Empresa de Transportes Narihualá». Na tradução brasileira lê-se que Felícito Yanaqué é o «dono da Empresa de Transportes Narihualá». Claro que, como não li o original (nem a tradução), não posso saber se é usada também a palavra castelhana transportista, que designa o «que se dedica a hacer transportes». Admitindo que o dono de uma empresa de transportes é isso que faz — por intermédio de outros —, temos em português a palavra transportadoraquele que transporta. Não precisamos de inventar nem de adoptar nenhuma palavra estrangeira. «&*#$#!», respondo eu. «Era o que me parecia, mas como os tradutores são duas pessoas muito conceituadas, fiquei na dúvida», escreve o meu interlocutor. «&*#$#!», repito eu (Asperger, diagnosticaria de novo aquela besta do N.). «E quem terá sido o revisor que deixou passar uma coisa destas?»

 

  [Texto 3292]

Helder Guégués às 17:42 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Léxico: «dongo»

Ultramar

 

 

      O general Óscar Carmona, na sua segunda viagem ao Ultramar, em 1939, visitou Cabo Verde, São Tomé, Moçambique e a África do Sul. Já no regresso a Lisboa, fez escala em Luanda, onde foi recebido por uma flotilha de dongos e assistiu ao primeiro festival da Mocidade Portuguesa de Angola, no Estádio dos Coqueiros.

      Encontramo-la no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: «embarcação tradicional africana, constituída por um tronco de árvore comprido, inteiriço e escavado, manobrado com pás (excepcionalmente com velas) e usado na pesca e no transporte de pessoas e mercadorias».

 

  [Texto 3291]

Helder Guégués às 13:56 | comentar | favorito
Etiquetas:

Léxico: «nautismo»

E esta nunca

 

 

      «Uma vez por semana, estas turmas passam a ter 90 minutos – metade da carga horária total da disciplina de Educação Física – consagrados ao surf, canoagem, remo ou vela. O repto do pelouro do Desporto da autarquia para se começar bem cedo a promover a “cultura do nautismo” foi dirigido aos agrupamentos escolares» («Mais de 650 alunos de escolas de Viana vão ter aulas de desportos náuticos», Andrea Cruz, Público, 13.09.2013, p. 16).

 

  [Texto 3290]

Helder Guégués às 07:55 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:
14
Set 13

Léxico: «extralectivo»

Muito poucas vezes

 

 

      «Este ano lectivo arranca com uma novidade em Viana do Castelo: mais de 650 alunos de sete escolas do concelho vão ter, por decisão dos respectivos agrupamentos, os desportos náuticos incluídos no plano curricular ou disponíveis como actividade extralectiva» («Mais de 650 alunos de escolas de Viana vão ter aulas de desportos náuticos», Andrea Cruz, Público, 13.09.2013, p. 16).

      Lê-se, é verdade, aqui e ali, mas muito poucas vezes, ao contrário de «extracurricular», só parcialmente sinónimo. E os dicionários ainda não a registam.

 

  [Texto 3289]

Helder Guégués às 07:53 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: