08
Nov 13

Léxico: «mal-do-panamá»

Soa a doença venérea

 

 

      «No início do século XX, o fungo que provoca o mal-do-panamá causou os primeiros prejuízos importantes em plantações de banana precisamente no Panamá» («O que é que a banana tem? Uma nova estirpe de fungo que está a alastrar-se», Teresa Firmino, Público, 8.11.2013, p. 37).

    Acho que só ultimamente é que ando a ver o verbo «alastrar» como pronominal. Eu escreveria assim: «Uma nova estirpe de fungo que está a alastrar.»

 

  [Texto 3483]

Helder Guégués às 22:19 | comentar | favorito
Etiquetas:

Os «nostalgériques»

E os nostálgicos do nosso império?

 

 

   «Os “nostalgériques” (os nostálgicos da Argélia francesa), com importante peso eleitoral em Aix-en-Provence e com uma presença assinável [sic] nos novéis meios de comunicação, condicionaram o processo» («Albert Camus. Um homem irrecuperável», Miguel Bandeira Jerónimo, Público, 8.11.2013, p. 22). 

 

  [Texto 3482]

Helder Guégués às 22:02 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

O dinheiro e o dicionário

Inveja não é

 

 

      Pode algum leitor do Linguagista ter a dúvida: «Sou multimilionário? Não sou multimilionário?» Se souber ler, procurará num dicionário. O da Porto Editora regista: «que ou aquele que é muitas vezes milionário; que ou aquele que é muitíssimo rico». Muitas vezes, pois, mas quantas? O Público esclarece: «Um relatório do banco suíço UBS concluiu que em Portugal há mais 85 milionários [sic] — indivíduos com fortunas superiores a 30 milhões de dólares (perto de 22,4 milhões de euros) — do que em 2012» («O número de multimilionários portugueses subiu e estão mais ricos», Camilo Soldado, Público, 8.11.2013, p. 22). O jornalista ficou de tal modo perturbado, coitado, que se enganou. Ah, sim, o título também é curioso.

 

  [Texto 3481]

Helder Guégués às 21:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:

Literatura na política

Disse a rainha

 

 

      «Perante as críticas da oposição sobre a visão positiva do ministro da realidade do país, Maduro respondeu: “A forma como analisam a situação de Portugal só me recorda a Alice no País das Maravilhas: ainda não é pequeno-almoço e eu já acreditei em seis coisas impossíveis.”» («Alice no País das Maravilhas, segundo o ministro Miguel Poiares Maduro», Maria Lopes, Público, 8.11.2013, p. 12).

      Está bem citado? Hum... «“I daresay you haven't had much practice,” said the Queen. “When I was younger, I always did it for half an hour a day. Why, sometimes I’ve believed as many as six impossible things before breakfast.”» Ficamos assim com vontade de reler esta obra.

 

  [Texto 3480] 

Helder Guégués às 21:23 | comentar | favorito
Etiquetas:
08
Nov 13

Tradução: «self-publishing»

Em busca do self

 

 

    «Memórias agora reunidas em Os Beatles na Imprensa Portuguesa 1963-1972, de Abel Soares Rosa, livro com tiragem limitada que acaba de ser lançado em autoedição» («Como se falava dos Beatles sob o olhar atento da censura», Nuno Galopim, Diário de Notícias, 6.11.2013, p. 47).

    Parece que se pretende assim traduzir o termo inglês self-publishing. Pois, mas em português não se disse sempre, caro Nuno Galopim, «edição de autor»? Isso é arrombar portas abertas.

 

  [Texto 3479]

Helder Guégués às 08:25 | comentar | ver comentários (18) | favorito
Etiquetas: