13
Dez 13

Léxico: «telónio»

Só na Bíblia

 

 

      Etc., e tal, uma «Igreja que se quer em “vestido de festa” (Isaías 61,3), jubilosamente saindo de si mesma, das amarras do medo, do comodismo, da indiferença, do quietismo, de toda a rigidez autodefensiva, do telónio da administração seja do que for», escreve o Sr. Bispo ***. «Não é palavra portuguesa, mas bom será usar dela, para significar o que propriamente se entende por ela no Cap. 9 de S. Mateus», escreveu Bluteau. Trata-se da primeira acepção que encontramos no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, «mesa onde se recebiam as rendas públicas».

 

  [Texto 3663]

 

Helder Guégués às 13:36 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas:

Ortografia: «pádel»

Não é preciso

 

 

      «Quanto às críticas do PSD, Sá Fernandes diz que a obra custou mais 170 mil euros do que o previsto e não 400 mil. O vereador atribui esse acréscimo e o atraso na conclusão dos trabalhos “em grande parte a imponderáveis”, como a queda de árvores em Janeiro e a “necessidade de compatibilizar as obras” com o edifício do Caleidoscópio e os campos de padel”» («Inquérito é “boa prática”, diz Sá Fernandes», I. B., Público, 13.12.2013, p. 15). Esqueça o itálico, cara Inês Boaventura: o vocábulo já está aportuguesado e nos dicionários, pádel.

 

  [Texto 3662]

Helder Guégués às 07:49 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas:
13
Dez 13

Ortografia: «bem-comportado»

Está dito

 

 

      «Uma palavra nunca aparece na boca das notabilidades, de direita ou de esquerda, que se opõem a este governo, e essa palavra é muito simples: presidencialismo. Em 1976, o parlamentarismo constituía de facto um obstáculo à supremacia militar e a um pequeno régulo saído do exército com apoio dos restos da ditadura e de uma social-democracia branda e bem comportada» («O presidencialismo», Vasco Pulido Valente, Público, 13.12.2013, p. 52).

      No Público sabem muito bem — ou deviam saber, pois até está no livro de estilo do jornal — que «bem-comportado» tem hífen, mas para eles é impensável corrigir um erro no texto de um cronista. E se o cronista se zanga? Se vai escrever para a concorrência? Nada, não se mexe; mesmo que ele, por lapso, escreva um disparate vergonhoso, não se altera.

 

  [Texto 3661]

Helder Guégués às 07:23 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: